Biblioteconomia para Concursos

Blog com notícias e análises de concursos públicos na área de Biblioteconomia

Biblioteconomia Para Concursos Volume 4

Acabou de sair do prelo o meu mais novo livro. Trata-se do Biblioteconomia Para Concursos Volume 4. 

Escrito em parceria com a Professora Geysa Flavia, o livro segue a mesma organização dos volumes anteriores. Na primeira parte, apresenta as quest?es de concursos realizados entre 2013 e 2015. Na segunda, o gabarito simples. E, na terceira, traz os comentários e explicaç?es às quest?es.

Foi bacana escrever este livro depois do Tipologias, pois pude aproveitar as ideias dele para explicar melhor como pensar cada questão. Espero ter me aproximado desse sonho.

Outro ponto, pessoal, é que o primeiro volume foi lançado em 2005. Por isso valeu o esforço para trazer este quarto volume ainda em 2015. Se contarmos com a segunda edição do volume 2, a média foi 1 livro publicado a cada 2 anos. Acho que pude assim cobrir bem os concursos de Biblioteconomia.

Agradeço a todos que acompanham ou acompanharam  este trabalho em algum momento. Sempre que escrevo um livro penso como ele poderá ser útil para alguém. Se tiver sido, terá valido o esforço.

P.s.: achei futurista a capa.

  

Biblioteconomia Para Concursos Volume 4

Preço promocional de lançamento – R$ 50,00 frete incluso para todo o Brasil.

Para adquirir enviar email para mariajneto2@hotmail.com

Força nos estudos!!!

Como fazer valer seu esforço

Estudar para concursos não é fácil para ninguém. Para algumas pessoas, é menos ainda. Os sacrifícios são vários e em diferentes aspectos da vida (especialmente emocionais e financeiros). Chegar em casa depois de um dia extenuante de trabalho e, no lugar de curtir um pouco a família, ter que abrir um livro para estudar, é a rotina de quem está na estrada dos concursos. Para complicar, não há prazo definido para isso terminar. Pode demorar anos até você passar no concurso que deseja. No entanto, o número de pessoas levando essa vida continua aumentando.

Por isso, é comum as pessoas desistirem antes de atingir o objetivo inicial. “Poxa, estudei tanto tempo e não consegui nada. Chega”, dizem por aí. 

Se isso acontecer com você, terá valido a pena? Se você parar de se preocupar com concursos hoje, o tempo que você investiu terá valido a pena?

Pergunto pois o tempo é um recurso que só diminui. Então não podemos usá-lo de qualquer forma. No entanto, gastamos nosso tempo mesmo sem querer. Por isso que tempo é diferente de dinheiro. Pois dinheiro eu posso escolher se gasto e como gasto. Já o tempo irá passar de qualquer forma. O máximo que posso fazer é definir como irei utilizá-lo.

Por isso resolvi fazer uma pequena lista de como agir para aproveitar melhor seu tempo estudando para concursos. Pois isso fará valer a pena o seu esforço e o seu tempo. Ainda que você não queira mais prestar concursos, aquilo que você aprendeu estudando para concurso será útil ao longo da sua vida pessoal e profissional.

Vejamos: 

1 – aprenda a ter disciplina

Hora de acordar, hora de estudar, hora de descansar. Tudo contado no relógio, nos mínimos detalhes. Aprender a ter disciplina é o primeiro passo para o sucesso não somente em concursos, mas também na vida. 

2 – aprenda português

Todos concursos exigem língua portuguesa. Se você realmente estuda para concursos, em pouco tempo ficará fera no nosso idioma. É algo que estudar para concursos ajuda muito.

3 – aprenda a pensar logicamente

Além das provas de raciocínio lógico, estudar para concursos promove um pensamento voltado para responder questões em que a resposta já está dada, é uma daquelas alternativas. Por isso o concurseiro aprende com o tempo várias formas de pensar de modo a ganhar tempo e acertar mais questões. 

4 – aprenda a valorizar o tempo com as pessoas do seu coração

O concurseiro não tem vida social. Por isso ele escolhe meticulosamente com quem quer passar seu tempo. E nada melhor do que valorizar aquelas pessoas que moram em nosso coração. Quando estamos estudando para concursos, sabemos o quanto nos fazem falta.

5 – aprenda a ler mais, melhor e mais rápido

O concurseiro aprende a ganhar tempo. Passa a ler mais (quantidade) e a apreender mais do que lê(qualidade). Depois, quando nem percebe, já está lendo mais rapido(velocidade). Quando isso se torna hábito, levamos para o resto da vida.

6 – aprenda a ser um profissional melhor

Estudamos disciplinas para concursos em que não fomos tão bem na universidade. Estudamos direito administrativo, ética, e outras coisas que nos ajudam a sermos melhores profissionais tanto para o serviço público quanto serviço privado.

7 – aprenda a escrever melhor

A leitura ajuda a escrever melhor. O concurseiro escreve muito pois está sempre fazendo anotações, resumindo, e treinando para provas discursivas e dissertativas. Quanto melhor você estudar, melhor você será em escrever e isso será um ganho para a sua vida.

8 – aprenda a usar a Internet para seu crescimento pessoal

A Internet é um oceano de informações. Mas para o concurseiro, é uma fonte de informação e material para estudar. Depois que passar essa fase, você saberá tirar proveito de qualidade das ferramentas de busca.

9 – aprenda a compartilhar seu conhecimento 

Todo bom concurseiro quer ensinar o que sabe, pois sabe que ensinar é uma ótima forma de aprender. Quem ensina aprende 2 vezes. É isso se repetirá várias vezes ao longo da sua vida.

Então, você está fazendo valer a pena o seu tempo enquanto estuda para concursos?

Força nos estudos!

Melhores iniciativas para concursos em biblioteconomia

Muito bacana ver ao longo do tempo tanta gente boa a fim de compartilhar seu conhecimento e entusiasmo para incentivar o estudo e o aprendizado voltado para concursos.

Temos pessoas e grupos de vários locais do Brasil trabalhando pesado e produzindo diversos tipos de materiais. Isso é muito bom pois o Brasil é enorme e existem concursos locais, muitas vezes melhor conhecidos por quem é da região. Entre outros aspectos que ajudam os candidatos que podem contar com pessoas mais próximas na sua preparação. 

Fiz uma lista com os que conheço e acompanho. A lista não obedece nenhuma ordem, a não ser a ordem da medida em que fui escrevendo. Posso ter esquecido alguém, já peço desculpas de antemão e digo que é só dizer que coloco seu trabalho aqui.

Dividi em 3: 1) multicanais, que produzem e atuam em diversos meios (o meu trabalho, Biblioteconomia para concursos, com livros, apostilas, cursos, face, etc. entra aqui); 2) professores, que dão aulas mas por um ou outro motivo não publicaram materiais ainda; e 3) sites que mantém uma postura mais fixa. Claro, é uma classificação pessoal(mania de Bibliotecário, vocês entendem).

A lista tem o objetivo de divulgar todos e facilitar o contato. Às vezes você tem alguém bem próximo de você que pode ajudar. Alguns sites podem estar desatualizados, mas são tão bons que decidi manter na lista. Sei muito bem como é difícil manter o ritmo. 

Fiquem com a lista. Conheçam o máximo que puderem conhecer. Pois cada pessoa é única e aprende de diversas maneiras, mais facilmente com algumas. Encontre as suas.

1. Multicanais(cursos, livros, apostilas, vídeos, face, etc.)

Biblioquestoesesquematizadas

O Biblio questões esquematizadas é um produto fantástico criado sob muito suor pelo Marcos Bozzi que foi aprovado em concursos bastante concorridos com seu método. É uma ótima forma e método de estudos e sem dúvida ajuda bastante. Vale conhecer. 

Santa Biblioteconomia

O Santa Biblioteconomia é uma iniciativa da Thalita Gama, que mantém uma ótima regularidade na produção de novos materiais e cursos. No Blog você encontra textos leves e bem escritos com boas dicas para uma preparação melhor, além claro de análises de provas, editais e o que mais se encontra em concursos. Acessem e conheçam.

Biblio juris

Iniciativa da Sônia Neves, que acho fora da curva. Foca não nos específicos de Biblio mas sim nas questões jurídicas dos concursos de Biblio. É algo que faz diferença nos concursos jurídicos que em geral oferecem menos vagas é uma remuneração melhor. Vale conhecer e se dedicar a esses estudos.

Bibliothings

Iniciativa do paraense Diego Barros e do brasiliense Wesley Leite. Produzem com regularidade industrial e já lançaram apostilas e cursos. Para mim, o diferencial são as aulas em vídeo toda semana, que são uma mão na roda para quem tá a fim de um estudo proveitoso e rápido. Conheçam. 

Biblioconcurseiros

Iniciativa da Suzane Lima, o biblioconcurseiros traz ótimas postagens para a preparação para concursos, além de aulas e materiais para estudos. Conheçam.

2. Professores

Paloma Altran

A Paloma não é bem professora. Mas organizadora de cursos. Organiza cursos em São Paulo e sempre tem ótimas opções voltadas para concursos. Conheçam e entrem em contato. 

Klara Freire

Klara, biblioteklara, é uma competentíssima concurseira que resolveu ministrar aulas para concursos. Sabe tudo do que fala sobre concursos. Vale a pena acompanhar para saber quando ela ministrará algum curso ou publicar algum material. 

Gustavo Nogueira

Meu xará e amigo de longa data, Gustavo foi aprovado em vários concursos e ministra aulas e tem materiais voltados para concursos tanto de nível superior quanto para auxiliar de biblioteca. Vale a pena acompanhar o Gustavo e aproveitar seus cursos.

Thalita James

Thalita ministra aulas para concursos já há um tempo. Aprovada em vários concursos, ela tem muita experiência na preparação para concursos públicos. Fiquem de olho e aproveitem seus cursos.

3. Sites

Biblioconcursos

Iniciativa do amigo Leandro Fonseca. Publica editais e mapeia os concursos abertos na área. Leitura diária do bibliotecários concurseiro.

Bibliotecno

Pra mim, o melhor site para estudos para concursos em Biblio. Organizadissimo, traz aulas bem elaboradas, bem escritas e ricas sobre vários assuntos de biblio. Um trabalho fantástico do Alex da Silveira. Corram lá.

Biblioteconomia Digital

Site do grande Jorge Cativo, de Manaus. Aprovado em vários concursos, Jorge desenvolveu vários métodos de estudos. Produziu ótimos materiais e no seu blog tem muitas aulas e explicações importantes para concursos e sobre biblioteconomia também. Leiam.

MRVULPES

Iniciativa dos amigos Fernando Mustafa e Liliane. Tem muita coisa bacana lá, inclusive simulados. Vale a visita.

Força nos estudos!

Curso preparatório para o TJDF 

Estão abertas as inscrições para o concurso do TJDFT.
O órgão oferece uma vaga de provimento efetivo para o cargo de “Analista Judiciário – Área: apoio especializado. Especialidade: biblioteconomia” com remuneração inicial de R$8.863,84.
A grande oportunidade associada a este concurso é que o Poder Judiciário Federal costuma “aproveitar” o cadastro de reserva de um tribunal para outro. Assim, os bibliotecários aprovados neste certame e que vierem a compor o Cadastro de Reservas podem vir a ser convocados e nomeados para outros tribunais localizados em Brasília.
O curso preparatório para TJDFT terá carga horária de 22 horas/aula, e abordará os tópicos do conteúdo específico do edital.
Além de trabalhar o conteúdo de maneira dinâmica, com macetes e dicas de prova, serão comentados exercícios em sala, técnicas para analisar um edital e selecionar material de estudo, e a última aula será um módulo com dicas de redação.
Datas:

11 de dezembro (sexta) – das 19:00 às 22:00

12 de dezembro (sábado) – das 9:00 às 18:00 (uma hora de intervalo para almoço)

13 de dezembro (domingo) – das 9:00 às 18:00 (uma hora de intervalo para almoço)

14 de dezembro (segunda) – das 19:00 às 22:00
Local:

CLS 215 Bloco B sala 1
Investimento:

R$ 440,00
Informações e inscrições:

talitajames@gmail.com
   
 

97% ou 3% onde você está?

  

Pratico Jiu Jitsu há 4 anos e é algo que faz muito bem para minha vida. Melhorou minha mente, meu corpo e meu espírito de uma forma que nunca tinha experimentado. Sou admirador e entusiasta do Jiu Jitsu. Sempre faço associações entre o que vejo nos tatames e o que vivo nos concursos. Quero agora falar sobre a mentalidade 3%.

É algo criado pelo Lloyd Irvin, um professor de Jiu Jitsu americano que, apesar das polêmicas em que se envolve, forma campeões no esporte. Para ele, 97% das pessoas são perdedoras e somente 3% são vencedoras. O que faz você estar em um lado ou outro é a mentalidade vencedora de manter o ritmo a todo custo. 

Aplicando a concursos, também podemos ter essa mentalidade. O que faz um candidato estar entre aqueles 3% que realmente concorrem(em breve publicarei o resultado da minha pesquisa sobre isso) é a quantidade de esforço que ele dispendeu para tal. Sem desculpas. Se você diz para si mesmo que “hoje não só estudei 1 hora pois é a festa da minha vó”, se você diz “tudo bem ter acertado somente 70% da prova pelo menos fui aprovado”, se você aceita que “está voltando a estudar agora e está estudando o suficiente” então você faz parte dos 97%. Quem faz parte dos 3% não se dá desculpas. Os 3% não aceitam resultados que não sejam a vitória. 

Se você se propõe a estudar 3 horas por dia e algum dia estuda apenas 2 horas e meia, nesse dia você perdeu. Se você se propõe a responder 100 questões e responde apenas 95 por ter cansado, nesse dia você perdeu. 

Pensar 3% exige muito e não é para todos. Para concurseiros, o lado positivo é que você não precisa manter essa atitude para sempre. Diferente de quem vive de resultados nos esportes, em que é preciso vencer sempre, nos concursos você só precisa vencer 1 vez naquele concurso dos seus sonhos. Assim, vale muito a pena esse esforço para estar entre os 3%. Sem desculpas.

Força nos estudos!!!

Curso Biblioteconomia para concursos EAD turma 3 2015

  

Inscrições abertas para a turma 3 do Curso Biblioteconomia Para Concursos EAD.

Nesta turma teremos um novo módulo, que chamo de coaching para concursos. Consiste em aulas focadas em 4 pontos: 1 – como estudar 2 – como fazer provas 3 – como se preparar 4 – como se superar.

A ideia é passar essa experiência de anos como estudante, professor e elaborador de provas. É motivante poder organizar isso em vídeo. Espero que seja proveitoso.

O curso dispõe de materiais em diversos formatos. Acredito que é um ponto positivo, pois informações que passam em um texto podem chamar atenção quando ouvidas. E assim por diante. Também temos uma base de questões muito grande, além de atividades durante o curso.

Cada nova turma, o curso melhora, ganha corpo, novos materiais e novas atividades. É como se uma turma ajudasse a outra, pois o conhecimento gerado numa turma ajuda o desenvolvimento da próxima. É o que chamamos de compartilhar conhecimento.
O curso disponibiliza vários tipos de materiais de estudo, objetos de aprendizagem, que permitem que cada participante encontre a melhor forma de estudar e aprender. Já desenvolvemos um estudo sobre estilos de aprendizagem que pode ser lido aqui. São textos, vídeos, slides, mapas mentais, games, e muitos exercícios, além de atividades como fóruns, simulados e testes e um banco de questões de provas de concursos. Por ser online, não há nenhuma atividade síncrona, ou seja, em tempo real. Todas as atividades e todos os materiais podem ser acessados a qualquer momento.

É muito gratificante trabalhar com alunos de todas as partes do país e em diferentes estágios da “estrada dos concursos”. Assim, podemos tirar dúvidas mais básicas até mesmo explicar questões complexas que exigem pesquisa até em textos estrangeiros. A ideia é aprendermos juntos. Ninguém é dono do conhecimento e a informação é livre.

O curso dispõe dos módulos abaixo, além de um módulo de atividades

Introdução ao curso.

Documentação

Biblioteconomia e ciência da informação

Normas técnicas para a área de documentação

Resumos e índices

Indexação

Catalogação (AACR-2, RDA, RFRB)

Classificação

Serviço de referência

Estudo de usuário

Organização e administração de bibliotecas

Desenvolvimento de coleções

Noções de informática para bibliotecas

Automação

Publicações Oficiais

Preservação, conservação e restauração de documentos, acervos bibliográficos e conservação digital

Legislação bibliotecária

Dicas gerais para provas discursivas

Ergonomia

Fontes de informação

Alguns assuntos que aparecem em programas de concursos de biblioteconomia são cobertos dentro desses tópicos. Nosso curso cobre bem a gama dos assuntos pedidos pelo programa de concursos das principais organizadoras, como FCC, CESPE, CESGRANRIO, FGV, e está sempre crescendo.


Curso Biblioteconomia para Concursos Turma 3 2015

O curso tem 2 meses de duração (05 de outubro a 05 de dezembro) com acompanhamento do professor.

Você tem um total de 150 dias de acesso a plataforma do curso a partir da data de sua matrícula.

O conteúdo integral do curso é liberado na data inicial em 05 de outubro.

Dúvidas com acesso? suporte@personates.com

R$399,00

MATRICULE-SE CLICANDO AQUI

IMPORTANTE

Utilize uma conta de email pessoal de serviços como Google ou Yahoo para matricular-se. Contas de email institucionais e de plataformas de serviços antigas como Hotmail, Bol, iG, costumam bloquear os emails enviados pelo nossa plataforma de cursos, como os de recuperação de senha e avisos do professor.

Força nos estudos!!!!

Concurso UFPA análise de prova

O Erik, a quem agradeço, me enviou a prova da UFPA ocorrida recentemente. Prova com vários assuntos, não vi predominância de nenhum. O que é ruim pois o conhecimento acaba ficando disperso e isso atrapalha o candidato – pelo menos a mim sempre atrapalhou. Questões de APA, Vancouver, de FRSAD, entre outros que não são comuns. Realmente foi Uma prova pra quem é curioso é bem estudando. E olhe que isso talvez não tenha sido suficiente. 

Também tem algumas questões polêmicas que a Renata e o Erik me passaram e eu resolvi tentar responder aqui também.
Vejamos
27 O papel, utilizado como sustentáculo de múltiplas informações durante vários séculos, começou a ser substituído pelo suporte eletrônico a partir do século passado. Quanto ao assunto, é correto afirmar:

(A) Ambos podem ser lidos e transportados com facilidade em qualquer lugar.

(B) A qualidade do suporte eletrônico é superior à informação nele contida.

(C) A versão eletrônica armazena maior quantidade de informação e é de grande durabilidade em relação ao impresso, que se deteriora.

(D) A conservação da informação no suporte eletrônico garante o acesso em tempo real; e, no papel, a recuperação no futuro.

(E) A legalidade de ambos é facilmente reconhecida.
Minha opinião: letra A. Gabarito: letra D.

Não faz sentido nenhum a letra D. O acesso em tempo real num produto que não é online não precisa nem ser comentada.
30 As bibliotecas universitárias têm-se adequado por meio do uso de tecnologias, para garantir o acesso ao conhecimento e a inclusão digital e social dos alunos com deficiência. Quanto ao assunto, é correto afirmar:

(A) DosVox é um exemplo de tecnologia assistiva desenvolvida para auxiliar usuários cegos.

(B) Virtual Vision é um catálogo eletrônico de biblioteca desenvolvido para cegos.

(C) Jaws for Windows é um software desenvolvido para auxiliar usuários surdos.

(D) Microsoft Reader é um sintetizador de voz utilizado em bibliotecas para auxiliar usuários cegos.

(E) ChromeVox é uma tecnologia assistida desenvolvida para leitura de e-books.

Questão sem polêmica e até fácil para quem já tem a “maldade” dos concursos. Basta ver que eles citaram nomes de outras marcas de software nas outras opções. Resposta: A.
32 O modelo conceitual referente a um recurso informacional que relaciona os dados de autoridade de assunto às necessidades dos usuários é apresentado em

(A) AACR2.

(B) FRBR.

(C) FRSAD.

(D) RDA.

(E) FRAD.
A gente sempre escuta FRBR mas esquece que também existem o FRAD e o FRSAD. Este é de autoridade de assunto:
http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/4076
Já o FRAD trata mais de autoridades pessoas e entidades. Questão difícil, para quem está estudando bem e atual.

35 Quanto aos critérios para desbaste de obras em um acervo de biblioteca, analise os itens seguintes.

I Última data de circulação.

II Obras danificadas.

III Duplicatas.

IV Desatualização.

V Idade dos livros.

Estão corretos os itens

(A) I e III, somente.

(B) II e IV, somente.

(C) III e IV, somente.

(D) I e V, somente.

(E) IV e V, somente.
Questão polêmica. Para mim, apenas duplicatas que não está correta. Logo, eliminemos A e C. Se considerarmos que obras danificadas saem do acervo e voltam, elas tambem passam por desbaste. Mas vamos dizer que na cabeça de quem elaborou, não. Então a gente tira a letra B de cena. Ficamos entre D e E. Ai vem o “pulo do gato”, como diria a senhora minha mãe. Qual a melhor forma de saber se um livro está desatualizado se você bibliotecário não domina o assunto do livro? Basta ver se o livro está tendo saída. Logo, a última data de circulação é uma forma prática de saber se o livro está desatualizado. Eu teria marcado D nessa questão de boa.

Porém, preciso dizer, na minha visão, E também está correta pelo mesmo motivo, já que a atualização do livro é um critério para o livro permanecer no acervo ou não. 
Para mim está questão tem duas respostas certas D e E.
37 No processo de criação de bibliotecas na web, a arquitetura da informação é utilizada para organizar os conteúdos e visa a atender a necessidade de informação dos usuários por meio do(a)

(A) suporte dos documentos a serem indexados no banco de dados do acervo.

(B) vocabulário controlado adotado necessário para a navegação.

(C) unidade de informação que está representada.

(D) tipologia dos conteúdos digitais.

(E) sistema de busca inteligente que esgota as consultas em um site.
Essa questão está um tanto sem pé nem cabeça. A resposta do gabarito foi letra E. Discordo pois a AI trata sim da busca mas trata da parte de informação da busca. Já a resposta ao citar o termo inteligente já trata o sistema de busca pelo vies computacional(a meu ver). O livro do urso polar explica bem a parte da Busca que cabe à AI. Por isso não pode ser a resposta. A letra B para mim seria uma resposta mais adequada.
44 A circulação atual de uma obra em relação a sua data de publicação constitui um indicador de uso futuro do material. Esse indicador corresponde à(ao)

(A) taxa de envelhecimento.

(B) número de chamada.

(C) número de obras adquiridas.

(D) descarte de obras.

(E) área temática do acervo.

Taxa de envelhecimento é uma medida que mostra que, quando a obra chega na biblioteca, ela é muito solicitada durante um temporal depois seu uso vai diminuindo e assim é possível prever quando sobra deixará de ser relevante para o acervo.

Letra A. Sem polêmica. 
45. A porta de entrada da biblioteca digital possibilita o ingresso dos usuários no universo das informações eletrônicas e leva aos resultados de pesquisa. Esta afirmativa corresponde a

(A) RSS.

(B) URI.

(C) PRIMO.

(D) RDF.

(E) URL
Maldade essa questão. PRIMO é um produto do grupo Exlibris. Nao sei se é utilizado na Ufpa. Se for, faz sentido ter aparecido na prova. Se não, foi só pra atrapalhar. Por outro lado, quem fez por eliminação pode ter acertado. Pois rss, uri,rdf e url não são porta de entrada de biblioteca digital. 

http://www.exlibrisgroup.com/category/PrimoOverview

50 Preservação de recursos digitais e acesso aberto à informação são temas pertinentes a(ao)

I acesso remoto.

II curadoria digital.

III comutação bibliográfica.

IV repositórioinstitucional.

V disseminação da informação.

Estão corretos os itens

(A) I, II.

(B) II, IV.

(C) III, IV.

(D) I, V.

(E) III, V.
Questão sem polêmica. Curadoria digital e repositórios são temas em que a preservação de recursos digitais e acesso aberto andam juntos. Resposta B
Força nos estudos!

Curso Auxiliar de Biblioteca para concursos com foco no edital do Pedro II

  
Estao abertas as inscrições para o Curso Auxiliar de Biblioteca para concursos com foco no edital do Pedro II. É o nosso primeiro curso para auxiliar de bibliotecas e atende a uma demanda antiga, que vem desde quando publicamos a apostila de auxiliar de biblioteca aqui no blog.

Os concursos para auxiliar de biblioteca podem ser bem difíceis, pois exigem dos candidatos um conhecimento técnico em biblioteconomia que poucos têm acesso. Por isso pensamos o curso de um modo direto, crescente, para quem nunca estudou nada em biblioteconomia. Porém, quem já conhece a área também vai aprender muito, pois já vai poder ir aos tópicos mais específicos. 

O curso é organizado de acordo com o edital

Curso Auxiliar de Biblioteca Para Concursos – Pedro II
1. Atuação do auxiliar de biblioteca.
2. Introdução à biblioteconomia: conceitos básicos.
3. Administração e organização de biblioteca: noções de serviços e produtos da unidade de informação.
4. Fontes de informação: conceitos básicos.
5. Serviço de referência e informação: noções básicas.
6. Processos técnicos da informação: noções básicas de catalogação, classificação e indexação.
7. Normas técnicas de informação e documentação da ABNT: noções básicas.
8. Preservação e restauração: noções

Cada módulo terá 1 aula em vídeo, com as explicações que se complementam com a apostila. Além disso, terá questões de concursos e fórum para dúvidas.

O curso inicia no dia 8 de setembro com duração até o dia da prova do Pedro II. Porém cada participante terá 150 dias de acesso ao conteúdo do curso. Ou seja, também é válido para quem não vai fazer este concurso e quer se preparar para concursos deste cargo.

O valor do curso é R$ 199,00. A matrícula pode ser feita aqui.

Esperamos vocês.

Força nos estudos!!!

Análise de prova concurso FUB 2015

A Bárbara, a quem agradeço, enviou-me a prova da FUB realizada há pouco. 
Gostei da prova da FUB como gosto em geral das provas CESPE. Deram boa atenção a assuntos como bibliometria e estudos de usuários. E foi uma prova bem votada para BUs. Nunca se pode dizer que uma prova CESPE é fácil. E está também não foi. Selecionei algumas questões para responder rapidinho. 
Com referência à classificação decimal universal (CDU), julgue os próximos itens.

66 A CDU, linguagem documentária de indexação e de recuperação, é simbolizada por um código com base em números arábicos.
Correto. A CDU é uma classificação, ok, mas também é um índice de assuntos e serve para recuperar. E a base do código é formada por números arábicos. 

67 Caso a tabela de Cutter seja utilizada para a classificação de publicações de um autor que possua obras distintas, mas com a mesma letra iniciando o título dessas obras, deve-se utilizar primeiro a indicação de Cutter e, em seguida, a primeira letra do título de cada obra, seguida de numeração para diferenciá-las.

Não. Basta usar a segunda letra do título e assim por diante para diferenciar. (Pelo menos é assim que eu me lembro). E.

68 Na classificação de um dicionário de língua inglesa, utilizam-se duas notações de auxiliares independentes: a indicação de dicionário (038) e a indicação de língua inglesa =111. Portanto, a notação resultaria em (038)=111.

Estranho a primeira vista mas correto. As tabelas são independentes pois podem ser usadas sem os números da tabela principal.

69 A classificação de um documento cujo conteúdo é a relação entre dois assuntos, em que um exerce influência sobre o outro, deve ser iniciada pelo assunto que sofre a influência.

Correto. Tipo “a ética no direito” classifica por direito. 

Acerca dos serviços de referência e marketing em bibliotecas e centros de documentação, julgue os itens a seguir.
79 Uma biblioteca pode adotar o marketing de permissão como instrumento de gestão de demanda de seus usuários, de forma a atendê-los antecipadamente nas necessidades deles de informação.

Não sei o que é marketing de permissao. Mas pela palavra pode vou de correto. A palavra pode amplia muito as chances de uma afirmativa estar correta. Afinal poder podemos fazer quase tudo, mas nem tudo a gente deve fazer. É bíblico. 
80 No âmbito da biblioteca digital, pode-se conceituar o vocábulo metadados como padrões presentes no instrumental de software para criação de objetos digitais, que identificam, de forma descritiva, cada entidade informacional digna de significado presente nos documentos, como, por exemplo, parágrafos, títulos, tabelas e gráficos.

Correto. Os metadados servem para descrever da melhor maneira possível e mais completamente possível os recursos de informação. Note que aqui tem foi utilizada a palavra pode.

81 A desvantagem verificada na interoperabilidade entre bibliotecas digitais está na impossibilidade de um usuário realizar buscas de recursos informacionais heterogêneos, armazenados em diferentes servidores de uma rede.

Normalmente quando aparece mais de 1 palavra com ideia negativa tá errada a questão (atenção: é apenas uma constatação e não é 100% garantido). Ai tem desvantagem e impossibilidade. Marquei errado só por isso. E acertei. Nunca é bom chutar ainda mais quando isso pode acarretar perdas. 

82 A existência de unidade de gerenciamento do conhecimento, que inclui um sistema inteligente ou um especialista para ajudar na recuperação de informação mais relevante, é premissa da biblioteca digital.

Faz sentido. Correto. 
83 O levantamento do perfil de interesse dos usuários —descrição detalhada da qualificação, especialidade, necessidades e interesses dos usuários, bem como a análise e tradução desses perfis — é uma etapa inerente ao serviço de referência de uma biblioteca.
Essa realmente eu deixaria em branco. Na minha cabeça isso está ligado ao gerenciamento da biblioteca como um todo pois vai influir em todos os serviços e setores. A resposta ficou Errada. O DSI faz melhor ter isso como inerente enquanto a referência fica mais para atender os usuários sem perfil ali no “calor do momento”. Acho que consideraram isso.
Acerca da bibliometria, julgue os itens a seguir.
97 Conforme a lei do quadrado inverso, em uma especialidade científica coexiste pequeno número de pesquisadores extremamente produtivos com uma grande quantidade de cientistas menos produtivos.

Por isso chama quadrado inverso. É a lei que rege o mundo. Poucos têm muito e muitos têm pouco, seja dinheiro, seja comida, seja produção científica. Correto.

98 A bibliometria é um campo de pesquisa que contempla tanto aspectos da infometria quanto da cientometria.
Errado. Na minha opinião, por ser mais antiga, a bibliometria é que é a base para as ciências métricas que vieram depois. 
99 Bibliometria é o estudo dos aspectos quantitativos da produção, disseminação e uso da informação registrada.
Correto. Acho que não gera dúvidas.

100 A lei de Lotka permite, mediante a medição da produtividade das revistas, estabelecer o núcleo e as áreas de dispersão de um determinado assunto em um mesmo conjunto de revistas.
E
101 A lei de Bradford também é conhecida como lei da produtividade de autores.
E
102 A lei de Zipf, também conhecida como lei do menor esforço, consiste em medir a frequência do aparecimento das palavras em vários textos, de modo a gerar uma lista ordenada de termos de uma determinada disciplina ou assunto

C
As questões acima trabalham com a estratégia que chamo de troca de conceitos. Toda vez que você se deparar com uma questão assim, é possível que o enunciado traga tudo certinho e bonitinho mas troquem o conceito. É o que ocorre entre a 100 e 101.

Sobre bibliometria gosto deste artigo aqui

Força nos estudos! 

Análise de prova TRT MG

Recebi do amigo Sergio Santos a prova do TRt MG realizada há pouco.
Prova típica FCC. Questões bem elaboradas e bem claras de se entender. Abordagem de vários tópicos mas com um gosto especial para a parte de gestão e FDC. 
Analisei algumas questões.

27. Em relação à Classificação Decimal Universal, considere:

I. As tabelas auxiliares apresentam-se em três grandes divisões identificadas pelos algarismos romanos I, II e III: os sinais, as subdivisões auxiliares comuns e as subdivisões auxiliares especiais.

II. O asterisco * introduz a notação que não corresponde a um número autorizado do sistema.

III. Os auxiliares comuns independentes podem estar apropriadamente ligados a qualquer número das tabelas, mas podem também ser usados independentemente para formar um número de classificação completo de um documento.

IV. Os auxiliares comuns de características gerais são aplicáveis às tabelas principais quando o aspecto que representam é secundário em relação ao assunto, podendo ser utilizados de forma independente e citados no início de uma notação composta.

V. Utilizam-se três tipos de notação como subdivisões auxiliares especiais: as séries com hífen -1/-9, as séries com ponto zero .01/.09 e as séries com apóstrofo ’0/’9.

Está correto o que consta APENAS em

(A) II, III e V.

(B) III, IV e V.

(C) I, II e IV.

(D) I, II e V.

(E) I, III e IV.
Questões de afirmativas são boas pois com calma é possível encontrar a resposta mesmo sem dominar todas as afirmativas. Note que todas as respostas dizem que existem 3 afirmativas corretas. Vamos encontrá-las!
A mais fácil na minha opinião é a II. Pois o asterisco * ou o sustenido # possuem essa função de introduzir uma notação que não está na CDU. Logo, II está correta. Assim, sabemos que B e E estão erradas. A III também é bem fácil, pois os auxiliares comuns independentes são independentes justamente por poderem ser ligados a qualquer número da tabela e também usados independentemente. Só sabendo isso já encontramos a resposta: letra A
Resposta: A
28. O Sistema de Automação de Bibliotecas ? SIABI é usado pelas bibliotecas dos Tribunais Regionais do Trabalho para

gestão e recuperação da informação. O SIABI

(A) exige do bibliotecário o conhecimento prévio do formato MARC-21 para catalogar materiais convencionais, como livros, artigos e teses.

(B) possui os seguintes módulos integrados: circulação e empréstimo, catalogação, indexação, aquisição de periódicos e interface web.

(C) é compatível com padrões nacionais e internacionais, tais como MARC-21, ISBD, ISO-2709, FRBR, OBDC, NBR-6023 e NBR-6028.

(D) permite a pesquisa on-line pelos campos de autor, título e assunto nas coleções da Biblioteca Digital do Supremo Tribunal Federal.

(E) oferece consulta unificada aos acervos das bibliotecas cooperantes por meio da Rede de Documentação e Informação da Justiça do Trabalho.

Fundamental conhecer a biblioteca onde se quer trabalhar. Principalmente o sistema de automação, as redes de biblioteca a que pertencem, as fontes de informação que oferecem e o que mais puder conhecer.
Resposta: E
35. Em relação aos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos, avalie os dois agrupamentos abaixo:

I. Exemplar existente na biblioteca do TRT-3a Região

II. Livro publicado pela editora Francisco Alves em 1929

III. Edição comentada de Carlos Oliva

IV. Teoria geral do direito civil (1908), de Clóvis Bevilacqua

1. Obra

2. Manifestação

3. Item

4. Expressão

A correlação correta entre os agrupamentos é

(A) I-3 – II-2 – III-4 – IV-1

(B) I-1 – II-4 – III-2 – IV-3

(C) I-2 – II-3 – III-1 – IV-4

(D) I-1 – II-3 – III-2 – IV-4

(E) I-3 – II-1 – III-4 – IV-2
Um exemplar é um item. Sabendo disso, ligamos I-3. Assim, ficamos entre A e E. A obra é Teoria Geral do direito civil (1908), de Clóvis Bevilacqua. Assim, temos IV-1. Resposta: A
39. A função administrativa que consiste em medir e corrigir o

desempenho a fim de assegurar que os objetivos organizacionais

e os planos estabelecidos para alcançá-los sejam

atingidos, é a de

(A) direção.

(B) organização.

(C) planejamento.

(D) controle.

(E) previsão.
Podico – planejar dirigir controlar . Antigo mas ainda aparece em concurso. 
Resposta: D
40. A normalização é uma atividade social e econômica a ser promovida mediante a cooperação mútua de todos os elementos envolvidos. O estabelecimento de uma norma deve ser baseado em

(A) consenso geral.

(B) revisão constante.

(C) condições funcionais.

(D) estudos técnicos.

(E) demandas primárias.
O enunciado dá a dica ao falar em cooperação mútua. A resposta é que a normalização deve ser de consenso geral entre todos os envolvidos. E ainda assim há falhas. Há casos de normas que exigem máquinas que nem sequer existem no Brasil. Mas as normas na área de documentação e informação são bem consensuais mesmo.
Resposta: A

51. Em maio de 2013, a Revista de Administração Pública, de São Paulo, publicou, às páginas 209 a 217 do segundo

número do volume 44, artigo de Walter Luis Souza e Marcos Felipe Soares Portugal, intitulado “Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais”. A referência correta desse texto, segundo a norma da ABNT, é

(A) SOUZA, Walter Luis; PORTUGAL, Marcos Felipe Soares. Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais. Revista de Administração Pública. São Paulo, maio 2013. v. 44, n. 2, p. 209-217.

(B) SOUZA, Walter Luis; PORTUGAL, Marcos Felipe Soares. Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais. Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 209-217, maio. 2013.

(C) SOUZA, Walter Luis; PORTUGAL, Marcos Felipe Soares. Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais. In: Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 209-217, maio. 2013.

(D) SOUZA, Walter Luis; PORTUGAL, Marcos Felipe Soares. Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais. Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 209-217, maio 2013.

(E) SOUZA, Walter Luis; PORTUGAL, Marcos Felipe Soares. Impactos da alta de juros nas contas dos governos municipais. Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, maio. 2013. p. 209-217.
58. Observe os dois agrupamentos abaixo. Eles referem-se, respectivamente, a termos e conceitos relacionados à normalização de publicações periódicas:

I. Conselho Editorial.

II. Editorial.

III. Comissão Editorial.

IV. Editor.

1. Grupo de pessoas encarregadas de elaborar as diretrizes, estabelecendo o perfil político-filosófico editorial de uma editora.

2. Responsável pela direção da publicação.

3. Grupo de pessoas responsáveis pela seleção de textos a serem publicados, que se enquadrem na política editorial estabelecida pelo conselho editorial.

4. Texto onde o editor ou redator apresenta o conteúdo do fascículo, alterações nos objetivos e na forma da

publicação, mudanças no corpo editorial e outras que se tornarem necessárias.

A ordenação correta dos termos com os conceitos adequados é

(A) I-1 – II-4 – III-3 – IV-2

(B) I-1 – II-2 – III-3 – IV-4

(C) I-2 – II-1 – III-4 – IV-3

(D) I-3 – II-2 – III-1 – IV-4

(E) I-4 – II-3 – III-2 – IV-1
O mais fácil é o conselho editorial, que tem uma missão mais política. Então fica I-1. Assim, a dúvida entre apenas letras A e B. Editorial, qualquer pessoa que lê jornal ou revista sabe que é um texto. Logo, a resposta só pode ser letra A.
60. Analise as afirmações abaixo, que dizem respeito à apresentação da numeração de páginas em livros e folhetos.

I. a numeração deve ser toda em algarismos arábicos.

II. a localização da numeração das páginas pode ser no alto ou no pé da mancha, tanto no centro (páginas ímpares e pares) quanto na extrema esquerda (páginas pares) e na extrema direita (páginas ímpares).

Ocorre que:

(A) II está correta; a norma brasileira recomenda a utilização de algarismos romanos na numeração das páginas pré-textuais.

(B) I está correta; a localização da numeração das páginas deve ser sempre no alto e no mesmo lado do papel, independentemente da página ser par ou ímpar.

(C) I e II estão incorretas.

(D) I e II estão corretas.

(E) II está correta; a utilização de algarismos arábicos na numeração é optativa.
A I está correta, fácil. Resta analisar a II. Quem lê percebe que ou os livros estão errados ou realmente é permitido usar a numeração onde quiser. Há livros com numeração até no lado da página, ficam até bem bonitos na diagramação.
Força nos estudos!!

Concurso Bibliotecário UFF Análise de prova

Analisar provas de concurso é uma atividade fundamental para quem quer masterizar o seu aprendizado. Eu comparo a análise de prova com sobrevoar uma terra sobre a qual se quer ter mais conhecimento e domínio. Quando analisamos uma prova, conseguimos ver pontos e questionamentos que não conseguimos ver enquanto fazemos a prova no intuito de acertar questões.

A prova da UFF realizada em junho 2015 foi uma prova longa. Foram 40 questões específicas de biblio. Gabarito aqui. É preciso ter também preparo físico além do intelectual.

Porém as questões foram em sua grande maioria bastante diretas e, em vários enunciados, foram citados os autores de onde as questões foram retiradas, como Macgarry (1999), Accart(2012), Lancaster(2004), Grogan(2001). Isso ajuda na hora de recorrer, caso seja necessário.

Muitas questões de referência, que para mim é a atividade principal de qualquer biblioteca. Ponto positivo.

Separei algumas questões que julgo importantes pelos temas que trazem ou por seu nível de abordagem.

21 A projeção, de 0,80m por 1,20m no piso,
ocupada por uma pessoa utilizando cadeira de rodas
motorizada ou não, na NBR 9050, é considerada
como:
(A) rampa.
(B) guia de balizamento.
(C) módulo de referência.
(D) faixa elevada.
(E) área de transferência.

Questão sobre acessibilidade. Acessibilidade está sempre na ordem do dia e devemos ter uma boa noção dela. A NBR 9050 é a lei de acessibilidade em equipamentos urbanos, onde estão as bibliotecas. As dimensões apresentadas são as dimensões que servem como modelo de referência para cadeirantes. Infelizmente, raras as bibliotecas que oferecem esse espaço entre suas estantes.

Resposta: C

23 Lei em que Ranganathan propõe a biblioteca
incorporar tanto as mudanças bruscas, quanto as
lentas e contínuas em seu desenvolvimento geral e
processos específicos:
(A) Primeira.
(B) Terceira.
(C) Quarta.
(D) Quinta.
(E) Segunda.

Questão interessante pois não diz as leis, diz apenas seus números. Força a memória do candidato, mas quem está estudando não ficará em dúvida.

A quinta lei é aquela que diz que a biblioteca é um organismo em crescimento. Esse crescimento não diz respeito apenas ao tamanho físico, mas a todos os aspectos que cercam a biblioteca.

Resposta: D.

27 As recomendações da ISO 5963/1985 auxiliam o
bibliotecário especificamente em seu trabalho de:
(A) indexação.
(B) administração.
(C) referenciação.
(D) desbastamento.
(E) mediação.

É um tipo de questão que é bem difícil ter decorado, pois pouco se estudam as ISOs diretamente por aqui. Elas até são citadas, mas poucos gravam. De qualquer forma, a linha de raciocínio mais correta é a seguinte: ISO é normalização. Alguns pontos são bem difíceis de normatizar, pois possuem características específicas. Por exemplo, administração. É algo muito genérico para ter uma ISO própria. Existem normas para gestão de qualidade e outros aspectos que influenciam na administração, já que administrar é algo realmente muito complexo. O mesmo pensamento podemos aplicar para referenciação (que em si é dúbio, pois pode indicar serviço de referência ou referências bibliográficas, pelo menos em uma primeira vista), desbastamento (que é um processo burocrático) e mediação, que é bem complexo também.
Assim, sobra apenas indexação como algo passível de normalização.

Resposta: A

32 Na pesquisa feita nos mecanismos de busca da
web, a autoridade da fonte, a confiabilidade da
instituição responsável e a imparcialidade e atualidade
dos dados são elementos básicos para sua:
(A) avaliação.
(B) organização.
(C) promoção.
(D) sistematização.
(E) disponibilização.

Autoridade, confiabilidade, imparcialidade e atualidade são elementos que servem para a avaliação de fontes.

Resposta: A

35 Nos tesauros, a nota de escopo, ou explicativa,
aposta a um termo confuso, serve para explicitar como
o termo deve ser:
(A) qualificado.
(B) utilizado.
(C) relacionado.
(D) integrado.
(E) traduzido.

NE Nota de Escopo é a explicação que o indexador dá para o termo considerado confuso. Mostram em que sentido aquele termo deve ser utilizado. O tesauro tenta sempre eliminar qualquer tipo de confusão, por isso permite as notas de escopo.

Resposta: B

40 Na opinião de McGarry (1999), a catalogação
cooperativa e o empréstimo entre bibliotecas podem
ser considerados precursores da:
(A) ação cultural.
(B) competência informacional.
(C) comunicação.
(D) sociedade em rede.
(E) animação cultural.

Na UFPE, eu Professor Marcos Galindo sempre repetia que a primeira coisa que foi transmitida pela Internet foram os catálogos de biblioteca. Pois eram a única coisa que trazia a informação pronta para ser transmitida. O mesmo se aplica para o trabalho em rede, pois as biblioteca já atuavam em rede muito antes de virar uma necessidade como conhecemos hoje.

Resposta: D.

45 A partir do enfoque mais direcionado ao acesso
que à propriedade das coleções, a maior parte das
experiências de implantação de serviços de referência
virtual nas bibliotecas correu, segundo Accart (2012),
por meio dos:
(A) consórcios.
(B) sistemas operacionais.
(C) esforços concentrados.
(D) melhores serviços.
(E) usuários.

O Netflix é um serviço que oferece o acesso aos filmes e não a posse dos filmes. É isso o que as bibliotecas sempre promoveram: o acesso ao conhecimento. Com o desenvolvimento digital isso ficou mais evidente e a importância das bibliotecas cresceu. Os consórcios de bibliotecas tem essa mesma missão, promover o acesso, que é compartilhado entre as bibliotecas membro do consórcio.

Resposta: A

50 Produto de informação do serviço de referência
virtual formado por endereços eletrônicos selecionados
comumente pelas redes sociais, segundo interesse por
determinado assunto:
(A) Facebook.
(B) Macrodados.
(C) Databanks.
(D) Achei!.
(E) Diretório de Favoritos.

Achei um pouco forçada essa questão, pois o diretório de favoritos é algo mais pessoal do que institucional. De qualquer forma, pelo enunciado, a resposta só pode ser diretório de favoritos.

Resposta: E

52 Para Grogan (2001) a Lei de Ranganathan que
expressa de forma mais adequada a função do
bibliotecário de referência é a:
(A) Primeira.
(B) Quinta.
(C) Quarta.
(D) Terceira.
(E) Segunda.

Outra questão para quem sabe das leis de Ranganathan. A lei do serviço de referência é a quarta: Poupe o tempo do leitor.

Resposta: C

57 Os desafios contemporâneos da biblioteca
universitária apontados por Cunha (2010) referem-se,
em linhas gerais, à necessidade de compreensão e
enfrentamento de questões relacionadas à mudança
de:
(A) paradigmas.
(B) representações informacionais.
(C) pesquisas.
(D) método de ensino e aprendizagem.
(E) informações

O artigo do Professor Murilo Cunha é ótimo e deve ser lido. Mas a questão é simples, pois é bem abstrata não traz uma pergunta objetiva. A resposta é mudança de paradigma. Mas não pergunta nem responde quais paradigmas. Leia o texto para entender.

Resposta: A

Força nos estudos!!

Resultado do jogo dos erros

Gostaria de novamente agradecer a todos que participaram. Muito legal o envolvimento.
Eu omiti que a referência é de um documento que não existe. Muitas pessoas levaram tão a sério que informaram ter buscado o documento e não encontraram. Perdoem. Da próxima vez aviso.
A grande maioria acertou 7 ou 8 dos 10 erros. Confesso que quando fiz achei que tinha apenas 8, era a ideia inicial :) . Vocês se garantem nas normas.
A regra dizia que a preferência era para quem acertasse mais erros e respondesse antes, por isso as vencedoras são as meninas abaixo:

Ana Gabriela Clipes

Laura Andrade
Muito obrigado. Já estou maquinando a próxima brincadeira.
As respostas ponto a ponto:

– Mais de 3 autores, utilizar et al. tanto nas citações como nas referências;

– Pontuação a mais em Cler, W. B..

– Se usasse mais de um autor, padronizar os nome, abreviando ou colocando por extenso todos;

– Nome do evento: todas em maiúsculas e sem negrito;

– Edição do evento: utilizar ponto (19.);

– Anais…. em negrito;

– Não inserir editora;

– maio é o único mês que não vai abreviado.

– O link deve estar padronizado em preto de acordo com a referência.

– O nome Castelo Branco não pode ser separado.

Força nos estudos!

  

Jogo dos erros

A referência abaixo à primeira vista pode parecer correta. Porém, ela apresenta vários erros. Você é capaz de apontar todos eles?

  
Quem acertar todos os erros irá receber em casa o livro “Tipologia de questões de concursos“. 

  
Para participar da brincadeira, envie sua lista de erros para o e-mail blogconcursos@gmail.com, até o dia 15 de julho, próxima quarta-feira. 

As 2 primeiras pessoas que acertarem todos os erros receberão o livro em casa. Caso ninguém acerte, receberá aquela que tiver encontrado mais erros.

A dica é aproveitar e estudar novamente a 6023 e, não devia ajudar tanto mas vá lá, o aacr2.

Participem.

Força nos estudos!!!

Como melhorar a apreensão do conhecimento para concursos

Publiquei na nossa página do face uma imagem de uma ficha catalográfica em que faço umas anotações. Muitas pessoas gostaram e por isso escrevo agora para explicar melhor a ideia.

Rascunhar é importante para apreender conhecimento. Minha mãe sempre disse, e é verdade, que quando escrevemos fazemos 2 vezes. Ou seja, ao escrever dobramos, digamos assim, o processamento do nosso cérebro ao raciocinar e escrever. Podemos considerar até uma terceira atividade ocorrendo: a leitura.

A ação é sempre benéfica para a apreensão do conhecimento. Pois é prática. Com o tempo, quem estuda assim fica no “automático” já responde sem pensar, como um atleta de http://writemyessayformefast.net/ alto rendimento. Talvez não seja o melhor para o conhecimento essa aquisição de conhecimento sem reflexão, porém para concursos é o que há.

No caso da biblioteconomia, algumas disciplinas e tópicos são bem propícios  para se estudar assim, especialmente catalogação, classificação, normalização e indexação. Que são atividades bem praticar da nossa área. 

Mas não são as únicas. Vai da criatividade de cada e de como gosta de aprender.  

Para escrever é bom usar cores diferentes para destacar títulos, tabelas, e o que mais se julgar necessário. Ajuda bastante.

  
Força nos estudos!

Apostila auxiliar de biblioteca IFPB em áudio 

Resolvi chamar de apostila um áudio que gravei com pinceladas em cima do programa de auxiliar de biblioteca do IFPB.

Acho importante variar os recursos de aprendizagem. Às vezes uma informação não chama nossa atenção no texto mas em um áudio ou em um vídeo acaba chamando é assim podemos chegar mais perto de um estudo 100%. 

O roteiro que fiz segue abaixo. No áudio esqueci de citar o livro do Jaime Spinelli sobre conservação, mas aqui está referenciado e linkado.

1. Organização e funcionamento de bibliotecas.
Um pouco de história

Para que servem

Tipos de bibliotecas

Nacional
Pública (podem ser temáticas, como infantil, especial, porém costumam ter tudo isso em acervos dentro do mesmo espaço)

Comunitária

Escolar

Universitária

Escolar

Especializada 

Jurídica (tipo de especializada)

Como funcionam
Como se organizam (departamentalização)

tipos de atividades de uma biblioteca (circulação, processamento técnico, seleção e aquisição, restauração, administração, etc.)

2. Ética, organismos de classe e legislação; 
CFB

FEBAB

Código de Ética – resolução CFB 42 de 2002

Leis do bibliotecário

  Lei N° 4.084, de 30 de junho de 1962
Dispõe sobre a profissão de Bibliotecário e regula seu exercício.

  Lei N° 7.504, de 2 de junho de 1986

Dá nova redação ao art. 3° da Lei n° 4.084, de 30 de junho de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Bibliotecário, e dá outras Providências.

 Lei N° 9.674, de 26 de junho de 1998
Dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário e determina outras providências.

Lei N° 10.753, de 30 de outubro de 2003

Institui a Política Nacional do Livro.

Lei N° 12.244, de 24 de maio de 2010
Dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País (bibliotecas escolares com bibliotecários).

Lei N° 12.514, de 28 de outubro de 2011
Dá nova redação ao art. 4o da Lei no 6.932, de 7 de julho de 1981, que dispõe sobre as atividades do médico-residente; e trata das contribuições devidas aos conselhos profissionais em geral.

 D E C R E T O

Decreto N° 56.725, de 16 de agosto de 1965
Regulamenta a Lei no 4.084, de 30 de junho de 1962, que dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário.

2. Acervo: organização e tratamento técnico, representação descritiva da
informação (catalogação), representação temática da informação (classificação e

indexação), Classificação Decimal Universal (CDU); 
O que é acervo – 

Tipos de acervo – aberto, fechado, demanda reduzida, acesso restrito, obras raras

Tipos de documento

Representação descritiva (AACR2 e CUTTER) – descreve

Representação temática – temas 

CDU Ordem de citação e ordem de arquivamento

CDD

3. Armazenagem e reposição do material no acervo, conservação e preservação do acervo; 
Cuidados para retirar e repor os livros no acervo

Primeira coisa: os livros são de papel. São frágeis. Se molhar estraga, se deixar cair comida os bichos comem, se não limpar com frequência os bichos comem (afinal papel é vegetal), se pegar fogo então, já era.

Dentre os vegetais usados na fabricação do papel citam-se como exemplos: • Eucalipto e carvalho – fibras curtas • Pinheiro e araucária – fibras longas(coníferas) • Algodão e linho -fibras muito longas
Neste segmento serão apresentados os principais agentes de deterioração de acervos documentais. 

– Umidade e temperatura

– Insetos, fungos e roedores

– Poluição Ambiental A atmosfera pode ser 

– Iluminação

– A Ação do Homem

MÉTODO DE CONSERVAÇÃO
Fumigação – Coloca-se um produto químico: um inseticida de uso domissitário autorizado pelo Ministério da Saú- de. Trata-se do DDVP (Diclorvós) em solução etanólica a 2%.

Higienização – limpeza mesmo. mas com todo o cuidado e com materiais especiais para isso, como pincéis (trinchas) , aspiradores, borrachas, entre outros.

Reestruturação – São os pequenos reparos que fazemos nos livros, claro que com todo o cuidado, mas especialmente nas capas e lombadas.

Velatura – que é um processo um pouco mais complicado de explicar, e que sugiro busquem no google mais informações.

Ordem dos livros nas estantes
A ordem dos livros nas estantes pode ser de 3 tipos: ordem de entrada, ordem alfabética de autor e ordem sistemática. A ordem sistemática é a que obedece a algum sistema de classificação, como a CDU ou CDD. A ordem sistemática e a ordem alfabética de autor são ordens relativas. A ordem de entrada é fixa, ou seja, uma vez ocupado aquele lugar, o livro terá aquele lugar para sempre. 

4. Catálogos; 
Tipos de catálogos
Internos e externos; internos para o serviços e externos para o público 

Catálogos externos: são os catálogos para acesso do público.

Catálogos internos: são os catálogos para acesso interno da biblioteca, podem ser de vários tipos.

Catálogo de identidade: é o catálogo para nomes de pessoas ou entidades.

Catálogo de assuntos: está claro o que é.

Catálogo dos números de classificação: também está claro.

Catálogos de títulos: para títulos de séries e títulos uniformes também.

Catálogo decisório: é o catálogo que registra as decisões de catalogação da equipe.

Catálogo topográfico: é o catálogo que indica a localização da obra no acervo.

Catálogo oficial: é uma réplica do catálogo externo, porém, normalmente, inclui apenas um dos registros completos.

Catálogo de registro: é o catálogo para registro patrimonial.
OPAC

5. Serviços aos usuários: orientação e consulta, referência, pesquisas e levantamentos bibliográficos, circulação do acervo, noções de normalização de documentos (ABNT)

– Quem são os usuários de uma biblioteca?

– O que uma biblioteca oferece? (empréstimos, pesquisas, normalização)

– Como funciona empréstimo e devolução de livros

– Noções de normalização (principais normas e pinceladas da 6023)
NBR 6022:2003 (NB 61) – Informação e documentação – Artigo em publicação periódica científica impressa – Apresentação – 5 p.

Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa.

NBR 10520:2002 (NB 896) – Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação – 7 p.

Esta Norma especifica as características exigíveis para apresentação de citações em documentos.

NBR 6033:1989 (NB 106) – Ordem Alfabética – 5 p.

Fixa os critérios de aplicação da ordem alfabética em listas, índices, catálogos, bibliografias e trabalhos de natureza semelhante.

NBR 6034:2004 (NB 124) – Informação e documentação – Índice – Apresentação – 3 p.

Fixa as condições exigíveis de apresentação e os critérios básicos para a compilação de índice de publicações.

NBR 6023:2002 (NB 66) – Informação e documentação – Referências – Elaboração – 24 p.

NBR 6028:03 (NB 88) – Informação e documentação Resumo – Apresentação – 2 p. 

Esta norma estabelece os requisitos para redação e apresentação de resumos.

NBR 6027:2003 (NB 85) – Informação e documentação – Sumário – Apresentação – 

NBR 12225:2004 (NB 765) – Informação e documentação – Lombada – Apresentação – 3 p. 

Esta Norma tem por finalidade oferecer regras para a apresentação de lombadas para editores, encadernadores, livreiros, bibliotecas e seus clientes.

Esta Norma aplica-se, no que couber, a lombadas de outros suportes (gravação de vídeo, gravação de som, etc.

NBR 14724:2002 – Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação – 6 p. 

Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros), visando sua apresentação à instituição (banca, comissão examinadora de professores, especialistas designados e/ou outros).
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA
Ana Virgínia Pinheiro, A ordem dos libros na Biblioteca, Interciência

Edson Nery da Fonseca, Introdução à biblioteconomia, Briquet de Lemos

Divina Silva e Iza Araujo, Auxiliar de Biblioteca, Thesaurus

Gustavo Henn, Apostila no Blog 
Jaime Spinelli, a conservação de acervos, Biblioteca Nacional

Disponibilizei o áudio para baixar no meu Internet Archives e no Soundcloud. É só fazer o download ou escutar direto do site. Está no formato MP3, que é universal, e tem em torno de 38 minutos, para escutar bem no trânsito lento de nossas cidades.

Força nos estudos!!

« Older posts