Biblioteconomia para Concursos

Blog com notícias e análises de concursos públicos na área de Biblioteconomia

Apostila auxiliar de biblioteca IFPB em áudio 

Resolvi chamar de apostila um áudio que gravei com pinceladas em cima do programa de auxiliar de biblioteca do IFPB.

Acho importante variar os recursos de aprendizagem. Às vezes uma informação não chama nossa atenção no texto mas em um áudio ou em um vídeo acaba chamando é assim podemos chegar mais perto de um estudo 100%. 

O roteiro que fiz segue abaixo. No áudio esqueci de citar o livro do Jaime Spinelli sobre conservação, mas aqui está referenciado e linkado.

1. Organização e funcionamento de bibliotecas.
Um pouco de história

Para que servem

Tipos de bibliotecas

Nacional
Pública (podem ser temáticas, como infantil, especial, porém costumam ter tudo isso em acervos dentro do mesmo espaço)

Comunitária

Escolar

Universitária

Escolar

Especializada 

Jurídica (tipo de especializada)

Como funcionam
Como se organizam (departamentalização)

tipos de atividades de uma biblioteca (circulação, processamento técnico, seleção e aquisição, restauração, administração, etc.)

2. Ética, organismos de classe e legislação; 
CFB

FEBAB

Código de Ética – resolução CFB 42 de 2002

Leis do bibliotecário

  Lei N° 4.084, de 30 de junho de 1962
Dispõe sobre a profissão de Bibliotecário e regula seu exercício.

  Lei N° 7.504, de 2 de junho de 1986

Dá nova redação ao art. 3° da Lei n° 4.084, de 30 de junho de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Bibliotecário, e dá outras Providências.

 Lei N° 9.674, de 26 de junho de 1998
Dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário e determina outras providências.

Lei N° 10.753, de 30 de outubro de 2003

Institui a Política Nacional do Livro.

Lei N° 12.244, de 24 de maio de 2010
Dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País (bibliotecas escolares com bibliotecários).

Lei N° 12.514, de 28 de outubro de 2011
Dá nova redação ao art. 4o da Lei no 6.932, de 7 de julho de 1981, que dispõe sobre as atividades do médico-residente; e trata das contribuições devidas aos conselhos profissionais em geral.

 D E C R E T O

Decreto N° 56.725, de 16 de agosto de 1965
Regulamenta a Lei no 4.084, de 30 de junho de 1962, que dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário.

2. Acervo: organização e tratamento técnico, representação descritiva da
informação (catalogação), representação temática da informação (classificação e

indexação), Classificação Decimal Universal (CDU); 
O que é acervo – 

Tipos de acervo – aberto, fechado, demanda reduzida, acesso restrito, obras raras

Tipos de documento

Representação descritiva (AACR2 e CUTTER) – descreve

Representação temática – temas 

CDU Ordem de citação e ordem de arquivamento

CDD

3. Armazenagem e reposição do material no acervo, conservação e preservação do acervo; 
Cuidados para retirar e repor os livros no acervo

Primeira coisa: os livros são de papel. São frágeis. Se molhar estraga, se deixar cair comida os bichos comem, se não limpar com frequência os bichos comem (afinal papel é vegetal), se pegar fogo então, já era.

Dentre os vegetais usados na fabricação do papel citam-se como exemplos: • Eucalipto e carvalho – fibras curtas • Pinheiro e araucária – fibras longas(coníferas) • Algodão e linho -fibras muito longas
Neste segmento serão apresentados os principais agentes de deterioração de acervos documentais. 

– Umidade e temperatura

– Insetos, fungos e roedores

– Poluição Ambiental A atmosfera pode ser 

– Iluminação

– A Ação do Homem

MÉTODO DE CONSERVAÇÃO
Fumigação – Coloca-se um produto químico: um inseticida de uso domissitário autorizado pelo Ministério da Saú- de. Trata-se do DDVP (Diclorvós) em solução etanólica a 2%.

Higienização – limpeza mesmo. mas com todo o cuidado e com materiais especiais para isso, como pincéis (trinchas) , aspiradores, borrachas, entre outros.

Reestruturação – São os pequenos reparos que fazemos nos livros, claro que com todo o cuidado, mas especialmente nas capas e lombadas.

Velatura – que é um processo um pouco mais complicado de explicar, e que sugiro busquem no google mais informações.

Ordem dos livros nas estantes
A ordem dos livros nas estantes pode ser de 3 tipos: ordem de entrada, ordem alfabética de autor e ordem sistemática. A ordem sistemática é a que obedece a algum sistema de classificação, como a CDU ou CDD. A ordem sistemática e a ordem alfabética de autor são ordens relativas. A ordem de entrada é fixa, ou seja, uma vez ocupado aquele lugar, o livro terá aquele lugar para sempre. 

4. Catálogos; 
Tipos de catálogos
Internos e externos; internos para o serviços e externos para o público 

Catálogos externos: são os catálogos para acesso do público.

Catálogos internos: são os catálogos para acesso interno da biblioteca, podem ser de vários tipos.

Catálogo de identidade: é o catálogo para nomes de pessoas ou entidades.

Catálogo de assuntos: está claro o que é.

Catálogo dos números de classificação: também está claro.

Catálogos de títulos: para títulos de séries e títulos uniformes também.

Catálogo decisório: é o catálogo que registra as decisões de catalogação da equipe.

Catálogo topográfico: é o catálogo que indica a localização da obra no acervo.

Catálogo oficial: é uma réplica do catálogo externo, porém, normalmente, inclui apenas um dos registros completos.

Catálogo de registro: é o catálogo para registro patrimonial.
OPAC

5. Serviços aos usuários: orientação e consulta, referência, pesquisas e levantamentos bibliográficos, circulação do acervo, noções de normalização de documentos (ABNT)

– Quem são os usuários de uma biblioteca?

– O que uma biblioteca oferece? (empréstimos, pesquisas, normalização)

– Como funciona empréstimo e devolução de livros

– Noções de normalização (principais normas e pinceladas da 6023)
NBR 6022:2003 (NB 61) – Informação e documentação – Artigo em publicação periódica científica impressa – Apresentação – 5 p.

Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa.

NBR 10520:2002 (NB 896) – Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação – 7 p.

Esta Norma especifica as características exigíveis para apresentação de citações em documentos.

NBR 6033:1989 (NB 106) – Ordem Alfabética – 5 p.

Fixa os critérios de aplicação da ordem alfabética em listas, índices, catálogos, bibliografias e trabalhos de natureza semelhante.

NBR 6034:2004 (NB 124) – Informação e documentação – Índice – Apresentação – 3 p.

Fixa as condições exigíveis de apresentação e os critérios básicos para a compilação de índice de publicações.

NBR 6023:2002 (NB 66) – Informação e documentação – Referências – Elaboração – 24 p.

NBR 6028:03 (NB 88) – Informação e documentação Resumo – Apresentação – 2 p. 

Esta norma estabelece os requisitos para redação e apresentação de resumos.

NBR 6027:2003 (NB 85) – Informação e documentação – Sumário – Apresentação – 

NBR 12225:2004 (NB 765) – Informação e documentação – Lombada – Apresentação – 3 p. 

Esta Norma tem por finalidade oferecer regras para a apresentação de lombadas para editores, encadernadores, livreiros, bibliotecas e seus clientes.

Esta Norma aplica-se, no que couber, a lombadas de outros suportes (gravação de vídeo, gravação de som, etc.

NBR 14724:2002 – Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação – 6 p. 

Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros), visando sua apresentação à instituição (banca, comissão examinadora de professores, especialistas designados e/ou outros).
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA
Ana Virgínia Pinheiro, A ordem dos libros na Biblioteca, Interciência

Edson Nery da Fonseca, Introdução à biblioteconomia, Briquet de Lemos

Divina Silva e Iza Araujo, Auxiliar de Biblioteca, Thesaurus

Gustavo Henn, Apostila no Blog 
Jaime Spinelli, a conservação de acervos, Biblioteca Nacional

Disponibilizei o áudio para baixar no meu Internet Archives e no Soundcloud. É só fazer o download ou escutar direto do site. Está no formato MP3, que é universal, e tem em torno de 38 minutos, para escutar bem no trânsito lento de nossas cidades.

Força nos estudos!!

Tesauro Ciência da informação do Ibict

O Tesauro de Ciência da Informação do IBICT, publicado ano passado, é o melhor tesauro da nossa área. Não por acaso, já que é o que se espera de um órgão tradicional e de qualidade comprovado como o Ibict. As professoras Lena Vânia Pinheiro e Helena Ferrez são as responsáveis por esse hercúleo trabalho, resultado de

longo estudo principiado há mais de 20 anos na linha de pesquisa em Ciência da Informação, do Curso de Doutorado em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Palmas para o Ibict e para a nossa CI.

O melhor é que está obra também é ótima ferramenta para estudar para concursos. Tanto pelo lado do estudo dos tesauros em si, lógico, mas também pelo lado da organização do conhecimento. O Tesauro em CI reúne os conceitos de CI por afinidades. É um grande mapa do conhecimento da área, embora não esteja apresentado dessa forma.

Vejamos por exemplo o termo abaixo

arquitetura de informação

ING: information architecture 

TR arquitetos de informação

buscas

ergonomia

interação homem-computador recuperação da informação

usabilidade (programas de computador)

NE: Planejamento, organização e etiquetagem de sítios web, intranetes, comunidades em linha e programas de computador de forma a possibilitar aos usuários localizar e usar a informação – ASIST, p. 64.

CAT: 2.1 Organização do Conhecimento 

5.5 Gestão nas TICs
O quanto podemos aprender em relacionamento entre os termos com este tesauro? 

Força nos estudos!!

Como estudar catalogação?

Respondi várias vezes essa pergunta. Catalogação é uma atividade prática e as questões de catalogação, em sua maioria, também. Não significa que sejam difíceis, porém se tornam uma dor de cabeça para aqueles que não tem a oportunidade de trabalhar com ela. Áreas, pontuação, formas corretas de entrada, elementos, Campos e subcampos marc21, etc.. Tudo isso fica bem mais fácil na prática. 

Mas como aprender catalogação se não se pratica? Existem alternativas. A principal é estudar diretamente pelos melhores livros de catalogação, eu sugiro mesmo o próprio aacr2, vendido pela Febab, e o livro da Professora Memória. Trazem vários exemplos, que, diga-se, são usados em provas. E com eles vemos a catalogação de uma forma bem mais compreensível, cada coisa explicada.

Outra forma de estudar é pesquisar diretamente nos catálogos das bibliotecas e pedir para visualizar as fichas catalograficas e a ficha em formato Marc. A Biblioteca do Senado, que utiliza o Aleph, oferece essas opções. Então se você quiser saber como se cataloga um DVD, pode ir lá ver. Vale a pena usar esse recurso, para otimizar o aprendizado. 

Força nos estudos!!!

Prova auxiliar de biblioteca IFPB comentada

É difícil prever o que será exigido na prova de auxiliar do IFPB. Porém, tomando por base a prova passada, é possível que seja uma prova que busque pessoas que já tenham vivência de biblioteca. Por isso, uma prova um pouco mais difícil do que o esperado, como foi esta prova de 2013.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
26. O Conselho Federal de Biblioteconomia, no uso de suas atribuições, mediante a Resolução CFB nº 42, de 11 de Janeiro de 2002, referente ao Código de Ética Profissional do Bibliotecário, em seu art. 7º, dispõe sobre a relação com o usuário e cliente. De acordo com tal documento, o bibliotecário deve :

a) Formular críticas e propostas com o fim de preservar o desempenho do profissional.

b) Guardar sigilo no desempenho de suas atividades, dependendo da solicitação do usuário.

c) Orientar a técnica de pesquisa e a normatização do trabalho intelectual, de acordo com sua competência.

d) Zelar pela dignidade profissional e pelo aperfeiçoamento da biblioteca

a qual está vinculado.

e) Ser solidário, sem conivência com erros que venham a infringir a ética e as normas que regulam a profissão.
É preciso ter bem decorado o código de ética para saber do que exatamente trata cada artigo. O código de ética pode ser acessado aqui http://www.cfb.org.br/UserFiles/File/Resolucao/Resolucao_042-02.pdf.
A resposta é letra C, porém todas as outras alternativas aparecem no código de ética, porém em outros artigos, (exceto a letra B, pois o sigilo não depende da solicitação do usuário) 

a saber:

Letra A, artigo 11º h)

Letra D, artigo 6º b)

Letra E, artigo 5º letra a)

27. A biblioteca é uma unidade de informação cuja gestão responsabiliza-se por uma série de procedimentos intrínsecos à tradição e à inovação nos serviços oferecidos . No que concerne à disponibilização da informação e ao bom funcionamento da biblioteca, é possível afirmar que a preparação física do acervo diz respeito à seguinte rotina:
a) Carimbar, indexar, tombar o acervo.

b) Organização física do acervo.

c) Catalogação do material adquirido, disponibilização e disseminação através de difusão cultural.

d) Etiquetar o número de chamada, carimbar, colocar bolsos, posicionar fichas de assinatura e de data.

e) Posicionar etiquetas com os números das chamadas, catalogar, afixar o aporte para o registro, a assinatura e a data do primeiro empréstimo.
O que se chama de preparação física do acervo é bem parecido com o que se conhece por preparação física de pessoas. O que se faz é encorpar cada documento, ou seja, dar corpo, prepará-lo para “enfrentar” os desafios do acervo. Assim, eles recebem o número de chamada, que é a etiqueta onde está o seu lugar na estante; os carimbos que indicam a propriedade; os bolsos que é onde ficam os cartões com a ficha de assinatura e data (que indicam o empréstimo do documento). Assim, a resposta só pode ser a letra D

28. “Da esquerda para a direita e de cima para baixo” é a sequência que padroniza :

a) A ordenação de documentos de arquivo como acervos especiais em bibliotecas.

b) A ordenação de documentos em mapotecas.

c) A ordenação de coleções especiais em bibliotecas, principalmente as públicas.

d) A ordenação do acervo nas prateleiras.

e) A ordenação das obras de referências nas prateleiras.

  
Os livros são ordenados da forma acima, estante por estante. Encerrou a prateleira, continua a sequência na prateleira debaixo, apenas quando se encerram todas as prateleiras da estante é que se passa para a próxima, a partir da primeira prateleira.

Resposta: letra D
29. Na biblioteca, o descarte é um termo cuja atividade se refere ao seguinte objetivo:

a) Transferência de parte do acervo danificado por agentes biológicos e/ou ação humana para restauração.

b) Doação de livros, folhetos e periódicos duplicados para outra biblioteca que necessita.

c) Retirada de obras do acervo (livros, periódicos, folhetos) que estejam

desatualizadas, duplicadas e/ou danificadas, e sem perspectiva de recuperação, procedendo com os devidos registros.

d) Empréstimo diferenciado, sem prazo de devolução definido, que envolve a parte do acervo em que há pouca busca, acesso e uso.

e) Fluxo e circulação de obras não literárias e não científicas voltados a usuários especializados.

Descartar é em outras palavras mandar embora. Porém, como se trata de patrimônio, existem procedimentos legais a serem observados. E o descarte de uma obra só será justificado se tal obra estiver desatualizada, ou danificada e sem condições de ser recuperada, ou se estiver sem nenhum uso no acervo e apenas ocupando espaço. Resposta: C.
30. A biblioteca trabalha com acervos bibliográficos. No entanto, dependendo de sua especificidade, a biblioteca também pode gerir acervos documentais especiais. Desse modo, podemos dizer que são exemplos de acervos documentais não bibliográficos:

a)Periódicos científicos, tesauro e obras raras.

b) Livros, teses e arquivos.

c)Materiais cartográficos (mapas) e iconográficos (fotografias).

d) Mapotecas, topógrafos, depuradores de ar, diários oficiais.

e) Jornais, gibis, revistas, depuradores de ar.

Acervos bibliográficos são acervos compostos por livros e periódicos. Fora isso, são materiais especiais, não bibliográficos, ou também chamados de multimeios. A única alternativa correta é letra C. Note também que depurador de ar sequer é documento.

31. Dentre as fontes de informação da biblioteca, os almanaques e os glossários, são categorizados como

a) Obras periódicas que, por serem consideradas especiais, são registradas com ISSN e ISBN.

b) Obras de acervos digitais “nas nuvens”, podendo ser impressos quando necessário.

c) Obras voltadas para Atlas.

d) Obras voltadas para acervos iconográficos e gnosiológicos.

e) Obras de referências.
Fontes de informação são documentos de onde “jorram” informação, tal qual as fontes de petróleo. Dentro disso, fontes de informação como almanaques, glossário, dicionários, anuários, enciclopédias, atlas, códigos, entre outras, são chamadas de obras de referência. Pois são obras de consulta rápida, apenas para checar ou confirmar uma informação, como uma data, um nome, nada muito aprofundado. Assim, a resposta correta é letra E.
32. Considerando a função difusora da informação, os serviços oferecidos pela biblioteca são:

a) Catálogos de cabeçalhos nacionais de publicações periódicas.

b) Conservação, preservação e restauração de obras.

c) Organização de acervos, registro, classificação e doação.

d) Consulta, empréstimo e referência.

e) Aquisição, tombamento, catalogação e inventário.
A Biblioteca tem como uma responsabilidade difundir, disseminar, divulgar a informação. Para isso, oferece serviços como consulta, ao tornar seus catálogos acessíveis (especialmente em forma de OPAC), empréstimos (para que seus usuários possam ler seu acervo) e referência (que é, em poucas palavras, o suporte que a Biblioteca oferece para ser utilizada pelo usuário). Resposta: D.
33. No que concerne à sua finalidade, a classificação pode ser dividida em:

a) Científica ou especializada.

b) Formais ou factuais.

c) Enumerativa ou facetadas.

d) Científicas ou documentárias.

e) Documentária ou especializada.
Classificar é organizar a informação. Para que organizar a informação? Para que ela seja melhor acessada. Com que finalidade? Ou para a pesquisa científica, ou para a organização de documentos em bibliotecas, arquivos e centros de informação. Assim, a finalidade é ou científica ou documentária. Resposta: D.

34. Possui estrutura hierárquica e o conhecimento é dividido em dez partes que podem se subdividir em partes lógicas infinitamente. Essa compreensão conceitual refere-se a:

a) COMUT

b) CDD

c) Vaticana

d) Tesauro

e) CDU
Essa questão tem 2 respostas: CDU e CDD são hierárquicas e decimais (ou seja, divididas em 10 classes). Classificação Decimal Universal e Classificação Decimal de Dewey. Porém, a CDD é apenas hierárquica, enquanto a CDU é mais flexível. A resposta do gabarito foi a letra E, CDU, porém, a meu ver, mais correto seria ser a CDD. De qualquer modo, creio que o correto seria anular a questão por conter 2 respostas corretas.
35. Em termos gerais, é correto afirmar sobre classificação:

a) Gestão de processos, de produtor e de pessoal que distingue etapas, metas e estratégias de ação voltadas a uma determinada atividade.

b) Tombamento de obras distintas e relevantes para o usuário, a biblioteca e a sociedade.

c) Administração de obras especiais que distinguem com precisão etapas de conservação preventiva, organização de acervos e ação educativa em biblioteca.

d) Disseminação da informação indexada através de serviços especializados a usuários.

e) Distinção de coisas, de ideias ou de seres, por semelhança, em grupos ou categorias reunidas.
Classificar é organizar. Ou seja, reunir as coisas de acordo com suas semelhanças.
Resposta: E
36. O sistema decimal para organização e administração de bibliotecas reúne as seguintes ideias:

a) Catalogação de livros de uma maneira única e universal; organização de livros em ordem alfabética; elaboração de um manual vigente até os dias atuais.

b) Catalogação de livros; planejamento de coleções.

c) Organização dos livros em ordem alfabética; sistema de estudos de usuários de bibliotecas.

d) Serviço de referência; empréstimo; elaboração de manual.

e) Organização expansiva de Cutter e de Bliss.
Em biblioteconomia, classificação e catalogação são coisas diferentes. Porém, a questão não ajuda muito. A ideia de um código de classificação, seja ele decimal ou não, é poder organizar os livros de uma maneira que seja reconhecível por todos que usam o sistema em qualquer época. Na minha opinião esta questão não tem nenhuma alternativa correta, pois sistema decimal nada tem a ver com organização de livros em ordem alfabética, é o contrário disso aliás. Enfim, de qualquer modo, a resposta do gabarito foi a letra A.
37. As etapas de análise conceitual e tradução correspondem ao

processo de:

a) Catalogação

b)Classificação

c)Indexação de assunto

d) Vocabulário controlado

e) Tesauro
Análise conceitual e tradução são as duas etapas da indexação. Porém, indexação não é uma atividade do auxiliar de biblioteca, não deveria estar numa prova para este cargo. A resposta é letra C.
38. Indexar exaustivamente um termo com o maior número possível de descritores, aumentando as chances de obras/documentos serem recuperados, refere-se a:

a)Sistematização

b)Revocação

c)Precisão

d)Renovação

e)Atualização
Exaustividade é utilizar o maior número de termos possível para indexar um documento. Ao fazer isso, aumenta-se a revocação, que é a resposta que um sistema de informação fornece a uma busca. O contrário disso seria a especificidade, que utiliza poucos termos específicos para indexar um documento. O que gera precisão. Resposta correta: B.
39. Com o uso do Tesauro, em seu vocabulário controlado, os símbolos BT e NT significam, respectivamente:

a) Termo Genérico e Termo Específico.

b) Termo Associativo e Termo Genérico.

c) Termo Preferido e Termo Preterido.

d) Termo Relacionado e Termo Específico

e) Termo Específico e Termo Associativo.
Broader Term e Narrow Term. Em português seria TERMO GERAL e TERMO ESPECÍFICO (TG e TE). Resposta certa: A.
40.Em um documento existem partes que devem ser lidas e consideradas,

no momento da indexação, por acrescentarem grande probabilidade de conter informações sobre os assuntos que nele abordados. Dentre as partes apresentadas, NÃO se inclui:

a)O resumo.

b)A introdução.

c)O sumário.

d)A conclusão.

e)A epígrafe.
Para se indexar bem um documento é preciso conhecê-lo. E para conhecer um documento é preciso ler. Não precisa ler tudo tim tim por tim tim. Mas o resumo, a introdução, o sumário e a conclusão são bem importantes, pois trazem em si termos que podem ajudar na descrição. Já a epígrafe, que é aquela frase que o autor escolhe para colocar no início da obra, não ajuda muito pois muitas vezes nada tem a ver com o documento em si.
Resposta: E
Força nos estudos!!!

É fácil passar em concurso?

Costumo responder com freqüência essa pergunta. É curioso como as pessoas se preocupam com a facilidade das coisas. Se não for fácil, não interessa. O próprio marketing dos concursos já sacou isso e o que mais temos são gurus, cursos e livros prometendo que você vai passar em vários concursos fácil e rápido, estudando pouco. Mas afinal é fácil passar em concursos?

Preciso elencar alguns pontos antes de responder:

1 – existem candidatos bem preparados desde sempre Isso torna passar em concurso mais fácil, sem dúvida. Tenho amigos que eram primeiro de turma desde o jardim de infância, que estudaram inglês desde cedo, tiveram aulas de informática, estudaram em boas escolas, fizeram intercâmbio e etc. Uma pessoa dessas vai sentir bem menos o peso da preparação para concursos. Porém, se não se preparar, ainda com toda a base, não passa. Conheço muitos que dizem algo do tipo “fiquei em 5, se tivesse estudado tinha ficado na vaga”. Sim, sem dúvida teria ficado.

2 – existem concursos com muitas vagas – Esse é outro detalhe que muita gente parece não perceber em concursos. As pessoas se gabam de terem sido aprovadas de forma “fácil”, porém esquecem de salientar que passaram lá pela octogésima colocação e acabaram sendo chamadas. Ótimo ter concursos que chamam tantas pessoas, porém isso não torna passar em concurso fácil.

3 – existem concursos com pouca concorrência - Alguns concursos, sabe-se lá os motivos, não caem nas graças dos bibliotecários. Apesar de em grandes centros sermos muitos bibliotecários, no interior do Brasil e na região norte ainda somos poucos. Então acontece de ter concursos mais vagas que candidatos. Ser aprovado num concurso desses é ótimo e digno. No entanto, não se pode dizer que é fácil passar em concursos pois a realidade não é essa.

Nos três casos acima, aceito que se diga que foi fácil. Nos outros casos, é difícil passar em concursos. Exige dedicação e disciplina por um longo tempo. É difícil definir o tempo, pois isso depende de fatores como conhecimento prévio, ritmo de estudo e dos próprios concursos. Não existe caminho fácil. Somente esforço e dedicação levarão você a atingir o conhecimento necessário para conquistar seu lugar nos certames públicos.

Nada resiste ao esforço.

Força nos estudos!

Curso presencial em João Pessoa

O curso Biblioteconomia para concursos em João Pessoa está marcado já. Será dias 6 e 13 de junho na Central Pro Concursos, sempre pela manhã.

Adoro dar aulas e compartilhar um pouco a experiência de mais de uma década focado em concursos públicos em biblioteconomia. Sempre que tenho a oportunidade, aproveito. Agora, ja temos edital do ifpb e em breve da ufpb. Não há tempo a perder. Precisamos começar a estudar para uma preparação forte.

O curso terá 8 horas de duração, dividias em dois turnos. Iremos estudar, responder questões, falar de como responder questões e como estudar. Pretendo lançar a bola para que os participantes possam manter o ritmo de estudos depois do curso.

O curso terá um coffee break por turno. O material será composto por apostila + caderno de questões. Haverá sorteio de livros também. São apenas 50 vagas.

Espero vocês.

Força nos estudos!

Curso Biblioteconomia Para Concursos Em João Pessoa
Dias 6 e 13 de junho, Central Pro-Concursos

Inscrições

R$ 120 à vista ou deposito na conta abaixo

Caixa econômica federal
Agência 1294
Operação 013
Conta 89273-9
Gustavo Henrique do nascimento neto

R$ 120 parcelado via mercadopago
Basta clicar aqui

Contatos
Karina Lima 8833-2686
blogconcursos@gmail.com

Melhores livros livres para concursos

Temos, para nossa alegria, uma boa quantidade de livros de biblioteconomia disponíveis na selva internética. Uma parte realmente livres, disponibilizados legalmente. Uma outra parte, ilegalmente a contragosto dos autores e editores. É tanta opção que acaba mais atrapalhando que ajudando. Imagino a angústia de quem se sente afundado em tanta informação. Por isso, separei uma lista simples, com poucos títulos, todos livres, que realmente são pedidos em concursos. Para completar, também acrescentei alguns livros em inglês e espanhol.

Espero assim diminuir um pouco a ansiedade concurseira.

Melhores livros livres para estudar para concursos

Inteligência e Conhecimento

http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/465/1/Inteligencia,%20informa%C3%A7%C3%A3o%20e%20conhecimento.pdf

Bibliotecas Públicas: Avaliação de serviços

http://www.uel.br/editora/portal/pages/arquivos/biblioteca%20publica_digital.pdf

Bibliotecas digitais

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/1013

Fundamentos da Organização e Representação do Conhecimento

http://www.loja.edufpe.com.br/portal/spring/livro/detalhe/71

Linguagem Documentária

http://www.uff.br/ppgci/editais/linguagem.pdf

Para saber mais

http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/15121/3/LIVRO_ParaSaberMais.pdf

Técnicas para tomada de decisão

http://repositorio.unb.br/handle/10482/14812

Classificação

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/998

Estudos de usos e usuários de informação

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/452

Guia para utilização da CDU

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/772

Introdução geral à Biblioteconomia

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/1007

Metodologia para avaliação de produtos e serviços de informação

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/785

Tesauro

http://livroaberto.ibict.br/handle/1/454

Glossário de termos técnicos em Ciência da Informação

https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/glossario.pdf

Conservação de acervos bibliográficos

http://consorcio.bn.br/consorcio/manuais/manualconservacao/manualjame.pdf

Introdução ao método delphi

http://eprints.rclis.org/12888/

EM INGLÊS E ESPANHOL

Gestão estratégica: planejamento

http://eprints.rclis.org/24627/1/GESTION%20ESTRATEGICA.PLANEAMIENTO.pdf

Introdução à documática

http://eprints.rclis.org/24735/1/Documatica.pdf

Recuperação da informação

http://eprints.rclis.org/16262/

Serviço de referência virtual

http://eprints.rclis.org/12495/

Introdução ao acesso aberto (inglês)

http://eprints.rclis.org/24870/

Cabeçalho de assunto e PRECIS (inglês)

http://eprints.rclis.org/11892/

Introdução ao RDA (inglês)

http://www.npc.edu/sites/files/shared/library/Introducing%20RDA.pdf

Fundamentos de Biblioteconomia (inglês)

https://www.unilorin.edu.ng/publications/issaao/Fundermentals%20of%20Library%20and%20Information%20Science.pdf


Força nos estudos!

Curso Biblioteconomia Para Concursos EAD Turma 2 2015

Inscrições abertas para a turma 2 do Curso Biblioteconomia Para Concursos EAD.

Cada nova turma, o curso melhora, ganha corpo, novos materiais e novas atividades. É como se uma turma ajudasse a outra, pois o conhecimento gerado numa turma ajuda o desenvolvimento da próxima. É o que chamamos de compartilhar conhecimento.

O curso disponibiliza vários tipos de materiais de estudo, objetos de aprendizagem, que permitem que cada participante encontre a melhor forma de estudar e aprender. Já desenvolvemos um estudo sobre estilos de aprendizagem que pode ser lido aqui. São textos, vídeos, slides, mapas mentais, games, e muitos exercícios, além de atividades como fóruns, simulados e testes e um banco de questões de provas de concursos. Por ser online, não há nenhuma atividade síncrona, ou seja, em tempo real. Todas as atividades e todos os materiais podem ser acessados a qualquer momento.

É muito gratificante trabalhar com alunos de todas as partes do país e em diferentes estágios da “estrada dos concursos”. Assim, podemos tirar dúvidas mais básicas até mesmo explicar questões complexas que exigem pesquisa até em textos estrangeiros. A ideia é aprendermos juntos. Ninguém é dono do conhecimento e a informação é livre.

O curso dispõe dos módulos abaixo, além de um módulo de atividades

Introdução ao curso.
Documentação
Biblioteconomia e ciência da informação
Normas técnicas para a área de documentação
Resumos e índices
Indexação
Catalogação (AACR-2, RDA, RFRB)
Classificação
Serviço de referência
Estudo de usuário
Organização e administração de bibliotecas
Desenvolvimento de coleções
Noções de informática para bibliotecas
Automação
Publicações Oficiais
Preservação, conservação e restauração de documentos, acervos bibliográficos e conservação digital
Legislação bibliotecária
Dicas gerais para provas discursivas
Ergonomia
Fontes de informação

Alguns assuntos que aparecem em programas de concursos de biblioteconomia são cobertos dentro desses tópicos. Nosso curso cobre bem a gama dos assuntos pedidos pelo programa de concursos das principais organizadoras, como FCC, CESPE, CESGRANRIO, FGV, e está sempre crescendo.

Curso Biblioteconomia para Concursos Turma 2 2015
O curso tem 2 meses de duração (08 de junho a 08 de agosto) com acompanhamento do professor.
Você tem um total de 150 dias de acesso a plataforma do curso a partir da data de sua matrícula.
O conteúdo integral do curso é liberado na data inicial em 08 de junho.
Dificuldades com acesso? suporte@personates.com
R$399,00
MATRICULE-SE CLICANDO AQUI
IMPORTANTE
Utilize uma conta de email pessoal de serviços como Google ou Yahoo para matricular-se. Contas de email institucionais e de plataformas de serviços antigas como Hotmail, Bol, iG, costumam bloquear os emails enviados pelo nossa plataforma de cursos, como os de recuperação de senha e avisos do professor.

Força nos estudos!!!!

Estrada dos concursos

“Estrada dos concursos” é como eu chamo o caminho para atingir aquele cargo público tão almejado. Alguns ficam no primeiro concurso em que são nomeados. Para estes, a estrada encerrou ali. Outros são nomeados mas seguem o caminho, mantém o ritmo, seguem o curso.

Ao longo desses mais de 10 anos (eu me surpreendo como o tempo passa) conheci vários estudantes para concursos. Nos cursos que ministro, sempre vejo um perfil variado. Ensinar para concurso é bem difícil, pois a turma é bastante heterogênea no conhecimento. Mas todos tem o mesmo objetivo.

Numa mesma turma, temos estudantes de graduação, recém-formados que estão com todo o conhecimento ainda fresco na mente, temos bibliotecárias e bibliotecários de bibliotecas escolares, universitárias, jurídicas, especializadas… temos também professores, temos pessoas que estão há muito afastadas dos estudos, pessoas que apenas se formaram mas nunca exerceram a profissão. Cada uma delas começa a “estrada dos concursos” em um ponto diferente de conhecimento, e com um ritmo diferente de velocidade. Uma pessoa que trabalhe com catalogação provavelmente irá precisar estudar menos este assunto, porém poderá ter que estudar muito um outro tema igualmente complexo. Por isso não podemos nos vangloriar do ponto onde começamos, pois ele pode nos trair.

O diferencial não está na velocidade nem de onde você começou, está na persistência. Num paralelo com o mundo das corridas, andar muito rápido aumenta o desgaste e exige reparos. Mas nem todos que param conseguem voltar. Uma coisa que me deixa particularmente triste é quando vejo alunXs desistirem de estudar para concursos. Manter o ritmo a 80 por hora também exige muito, pois toma muito tempo. Tive alunXs que levaram 3, 4 anos até conseguir figurar entre as primeiras posições de um concurso. Mas nunca desistiram. Nada resiste ao esforço, nem mesmo os concursos.

Não importa onde você está nessa estrada, importa como você vai se comportar uma vez que está nela.

Força nos estudos!!!!

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS PÚBLICOS DE BIBLIOTECAS JURÍDICAS

A DATA COOP REALIZARÁ CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS PÚBLICOS DE BIBLIOTECAS JURÍDICAS / Convênio SESCOOP/UERJ

CARGA HORÁRIA: 15 horas/aula
DATAS: Sábados – 16, 23 e 30 de maio
HORÁRIO: 8 às 13 Horas
ENDEREÇO: (RJ) Local a definir

Investimento: Por inscrição, com a seguinte diferenciação: Estudantes de Biblioteconomia: R$ 290,00; Bibliotecários: R$ 350,00.
Pagamento depósito em conta:
Para : DATA COOP – COOPERATIVA DE BIBLIOTECÁRIOS, DOCUMENTALISTAS, ARQUIVISTAS E ANALISTAS DA INFORMAÇÃO LTDA.
CNPJ: 01596552/0001-77
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
AG: 4144
Operação 003
Conta 790772-8
Confirmação por EMAIL – wilsy@datacoop.com.br
Inscrição: wilsy@datacoop.com.br

Inscrições até dia 10/05/2015

JUSTIFICATIVA
O crescente espaço no mercado de trabalho de Biblioteconomia, principalmente a grande oferta de vagas no serviço público, no Poder Judiciário, motiva estudantes e profissionais da área a procurarem cada vez mais capacitação para prestar concursos a fim de aproveitar o volume de oportunidades disponíveis, o que impulsiona a criação de cursos especializados na área jurídica para atender à demanda destes candidatos.

OBJETIVOS / RESULTADOS ESPERADOS
O curso visa preparar os candidatos para concursos públicos na área de bibliotecas jurídicas.

CONTEÚDO_PROGRAMÁTICO:
Classificação Decimal de Direito (CDDir), CDD e CDU (classe de Direito); Normas técnicas para a área de documentação (Documento jurídico); Indexação (jurídico); Catalogação (jurídico); Serviço de referência e o bibliotecário jurídico; Desenvolvimento de coleções (bibliotecas especializadas); Fontes de informação em Direito e Informação jurídica.

PRE-REQUISITOS
Não há pré-requisitos

INFRA-ESTRUTURA
* Apostila com conteúdo e questões de provas

* Coffee-break

DEMAIS INFORMAÇÕES
Vagas: até 50 alunos, mínimo de 20.

CURRICULO DA INSTRUTORA
Instrutora: Klara W. Freire

Graduada em Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ministra palestras e cursos especializados na carreira do bibliotecário no serviço público. Primeiro lugar no concurso de 2012 do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, órgão no qual trabalha atualmente. Acumula aprovações nos seguintes certames: 2º lugar na Casa da Moeda – seu primeiro, ainda graduanda de Biblioteconomia -, 4º lugar na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), 3º lugar na UFRJ – onde trabalhou por quase dois anos, até ingressar no Poder Judiciário – e, mais recentemente, 7º lugar na Petrobras, dentre outros

Mapeamento de questões de concursos

Excelente o trabalho da Juliane Cássia da Luz, em seu TCC na UFRGS, intitulado QUESTO?ES DE CONCURSOS EM BIBLIOTECONOMIA:
mapeamento tema?tico
, sob orientação da Profa. Dra. Samile Andre?a de Souza Vanz.

Fico muito feliz de ver que os concursos estão sendo estudados e tomados a sério pela academia. Existem vários aspectos que devem ser levados em conta no universo dos concursos, e eles devem ser estudados pois atingem diretamente uma boa parcela da população brasileira.

A pesquisa da Juliane utilizou mais de 1300 questões e buscou mapear os temas dessas questões tomando por base o currículo da graduação. Nisso nós já percebemos como os concursos diferem da academia, pois os programas de concursos são bem mal feitos, trazendo alguns temas bem específicos e outros bem amplos.

A pesquisa encontrou que os assuntos mais solicitados foram da área de representação da informação, nessa ordem: normalização, classificação e indexação, e catalogação. Depois bem formação e desenvolvimento de coleções.

Na minha opinião fica claro que a parte técnica é a parte mais valorizada nos concursos. Creio que em razão da necessidade desse perfil de profissional no setor público.

Vale a leitura.

Parabéns pelo trabalho para a Juliane e sua orientadora.

Força nos estudos!

Dia do bibliotecário

Hoje, 12 de março, comemoramos o dia do Bibliotecário, data escolhida em homenagem ao nascimento de Manuel Bastos Tigre (1882-1957), bibliotecário, escritor e poeta, que contribuiu de forma expressiva para o crescimento da profissão. Mas, o que é ser bibliotecário? Antes de tudo faz-se necessário ter o curso superior em biblioteconomia instituído pela Lei 4.084 de 1962, regulamentado pelo Decreto nº 7265 de 1965, incluindo o ofício no quadro das profissões liberais pela Consolidação das Leis do trabalho (CLT).
Podemos definir o “Ser Bibliotecário” como um mediador entre a sociedade e o conhecimento registrado nos mais diversos suportes. Entre as atribuições desse profissional estão o planejamento, a organização, o tratamento técnico dos materiais bibliográficos ou não, desenvolvendo recursos informacionais, gerenciando em bibliotecas, centros de documentação, administrando informações em empresas na área de comunicação como televisão, rádio, jornais. Além de desenvolver difusão cultural e ações educativas em centros culturais, atuando na rede de ensino e pesquisa, na tecnologia da informação direcionada aos bancos e bases de dados, no gerenciamento eletrônico de documentos, consultoria ou acessória especializada em empresas e na participação em órgãos de classes.
Contudo, para que possamos atuar na área com maior desenvoltura, é preciso ter como referência os recursos oferecidos pelas novas tecnologias. Estes nos levaram a novos paradigmas da profissão, nos colocando além das paredes da tradicional biblioteca e do balcão de atendimento aos usuários, que hoje podemos chamar de clientes, fazendo refletir criticamente sobre a realidade que os envolve, buscando um aprimoramento contínuo e padrões éticos de conduta, interagindo com o tecnológico e o social no processo de desenvolvimento científico, educacional e cultural da sociedade, sendo um ser proativo em todo o processo da informação que vai da geração, organização, transferência e aplicação da informação para transformação do ser.
Sobretudo, não poderíamos deixar de defender a importância da leitura e seu compromisso com o cliente-leitor nas bibliotecas ou órgãos que têm como requisito principal a formação de leitores. Para que essa difusão aconteça além dos dados estatísticos, é importante a presença de bibliotecários nas escolas públicas e nas empresas que armazenam e produzem informações, assim fazemos jus ao nosso juramento profissional: “Prometo tudo fazer para preservar o caminho liberal e humanista da profissão de Bibliotecário, fundamentado na liberdade de investigação científica e na dignidade da pessoa humana”.
Marcos Antônio Soares ( Escritor e bibliotecário da UFPE)

Promoção dia do bibliotecário

REGULAMENTO
1. Curtir a página da Leiturateca no facebook (https://www.facebook.com/Leiturateca?fref=ts);
2. Curtir a página do Biblioteconomia para concurso no facebook (https://www.facebook.com/BiblioteconomiaParaConcursos?fref=ts);
3. Compartilhar a imagem da promoção em modo público em seu mural;
4. Entrar no link (https://www.sorteiefb.com.br/tab/promocao/432805 ) e clicar em Quero Participar
* O resultado será divulgado no dia 12/03/2015 a partir das 20h00 (horário de Brasília) na página da Leiturateca e no Biblioteconomia para concurso.
* Para participar, a pessoa deve residir dentro do território brasileiro.
* O vencedor deverá entrar em contato através do facebook no prazo de 02 dias. Caso o vencedor não entre em contato neste período, será realizado um novo sorteio
.* Caso o ganhador não cumpra quaisquer das regras descritas acima, o mesmo será desclassificado e perderá o direito ao prêmio
* Ao participar do sorteio, você concorda com todos as regras e termos descritos acima.
ATENÇÃO: OS PRIMEIROS 4 ITENS SÃO OBRIGATÓRIOS!!!
Só será validada a premiação do ganhador que cumpriu devidamente os itens listados acima.
SIGA CORRETAMENTE O REGULAMENTO! BOA SORTE!
?#?promoção? ?#?diadobibliotecario? ?#?bibliotecário
Leiturateca
O ato de ler com estilo
Nosso facebook e Pinterest
Novidades e promoções exclusivas

Mapeamento de questões de representação descritiva em concursos públicos

Muito, mas muito bacana este TCC Mapeamento das questões de representação descritiva nos concursos públicos de biblioteconomia, de Cynthia Cavalcante Pinheiro, orientada pela Dra. Naira Silveira(co autora do livro Catalogação no plural), da UNIRIO.

A pesquisa desenvolveu-se com provas realizadas na cidade de Brasília entre 2010 e 2014. E encontrou que 11,61% das questões de concurso abordam representação descritiva(catalogação etc.). Porém, ainda abordam pouco temas como RDA e RFRB. Vale a pena ler para ver a pesquisa completa.

Esse percentual significa 5 ou 6 questões numa prova de 40 a 50 questões. É um bom número, mostra que não se pode saber representação descritiva apenas no “mais ou menos”.

Acho muito válido este esforço de escrever sobre concursos públicos. Acho que de modo geral a academia está alheia quanto a esse verdadeiro fenômeno nacional. Fico feliz quando vejo pesquisas bem conduzidas sobre o tema, especialmente na área de biblio. Parabéns para a autora e para a orientadora. Torço para que em uma pós-graduação a pesquisa continue.

Força nos estudos!

Excesso de informação ou excesso de estudos?

Sabemos, especialmente quem lida diariamente com informação, que vivemos um período de abundância, excesso de informação. Todo excesso é prejudicial, até o de amor. Imagine excesso de informação para concursos públicos.

O excesso de informação confunde, atrasa e esvazia. Confunde pois oferece muitas opções, e sempre haverá a duvida se se deve estudar por essa, aquela ou aquela outra. Atrasa pois esse período de decisão leva um tempo e pode levar muito mais tempo, especialmente quando se começa a estudar por uma fonte, descobre-se que nao é o ideal, vai pra outra, e assim por diante. E esvazia pois ter tudo é o mesmo que não ter nada se você não sabe o que fazer.

Uma vantagem de estudar para concursos em biblioteconomia é justamente a pouca literatura. Não temos mais que 1 ou 2 livros por assunto. Para o desenvolvimento da área isso é péssimo, mas para estudar isso é ótimo. Então, por qual motivo buscar o excesso de informação? Alguns participantes dos meus cursos vem se preocupando demasiado em ter muitas opções para estudar, em reunir muito material, em resolver muitas provas. Para mim: menos é mais também aqui. Usando Lancaster como exemplo, você não precisa ler mais do que o seu livro para fazer bem qualquer prova de indexação. Somente depois de dominar o seu livro é que eu sugiro ler outros livros e artigos sobre indexação. Um é a base que sustenta o restante. E isso serve também para outros, ou quase todos, assuntos da Biblio.

Também vejo pessoas preocupadas demais em responder provas o tempo todo, quanto mais melhor, dizem, porém sem ter a base necessária para poder aprender com questões. Vamos com calma.

Excesso de informação não é excesso de estudos. E nenhum dos dois é excesso de aprendizado.

Aprender é um processo lento. Temos que acompanha-lo.

Força nos estudos!

« Older posts